Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 22/06/2017 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Usuários retornam para a antiga Cracolândia no centro de SP

Os usuários de drogas que ocupavam a Praça Princesa Isabel, na região central de São Paulo, decidiram migrar para as proximidades da antiga Cracolândia depois da recomendação de uma espécie de liderança do grupo. Conforme apurou o Bom Dia São Paulo, essa liderança conversou com os dependentes e, aos poucos, eles desmontaram as barracas e fizeram o caminho de volta. A informação foi publicada pelo ‘G1′.

A polícia informou que não houve nenhuma operação para retirar os usuários da Praça Princesa Isabel, e que o deslocamento foi espontâneo. Polícia Militar (PM) e Guarda Civil Metropolitana (GCM) reforçaram a segurança na região no fim da noite desta quarta-feira (21), mas não houve nenhum tipo de confronto. Os trabalhos foram somente de monitoramento preventivo.

Os dependentes químicos agora voltaram a ocupar a Rua Helvétia, mas na esquina com a Alameda Cleveland e não mais no cruzamento da via com a Alameda Dino Bueno. O grupo se concentra em uma parte da Praça Júlio Prestes, em frente à estação homônima, da Linha 9-Diamante, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

Os usuários de drogas deixaram a Praça Princesa Isabel praticamente juntos. Eles ocuparam o local por aproximadamente um mês e, depois da debandada, o que ficou para trás foi lixo. “Muito colchão, muito cobertor, muito lençol, caixa de papelão, sapato velho…”, tentou elencar um gari que participou dos trabalhos de limpeza durante a madrugada.

‘Fim da Cracolândia’

Imagem: DivulgaçãoHá um mês, prefeitura e governo estadual realizaram uma megaoperação para pôr fim à região conhecida como Cracolândia, no Centro da capital. A ação policial começou logo pela manhã do dia 21 de maio e retirou usuários e traficantes de drogas do cruzamento entre a Rua Helvétia e a Alameda Dino Bueno. Eles saíram, mas não foram longe.

Durante a ação policial das polícias Civil e Militar, armas, máquinas de cartão de crédito, celulares e pinos usados para embalar entorpecentes foram apreendidos. As forças policiais também prenderam suspeitos de vender drogas e outros que, de acordo com as investigações, faziam a “segurança” armada do tráfico.

Usuários, que, em tese, não seriam o foco da operação, saíram correndo em meio a bombas e disparos da polícia e se dispersaram pelo Centro. Na fuga, alguns aproveitaram para saquear comércios da região. Primeiramente, eles se espalharam por vias, como a Rua dos Gusmões e a Avenida Duque de Caxias. Depois, ocuparam a Praça Princesa Isabel.

Ao fim do trabalho policial, o prefeito João Doria chegou a dizer que, após mais de dez anos, a Cracolândia enfim havia acabado – ao menos “fisicamente”. Segundo ele, a partir de então, a região deveria ser chamada de Nova Luz. Os dependentes químicos, no entanto, passaram a se concentrar em grande número na Praça Princesa Isabel e até barracas voltaram a montar.

Em paralelo à operação para reprimir o tráfico, a Prefeitura intensificou a abordagem de assistentes sociais a moradores de rua e usuários de drogas da região. Conforme último balanço da gestão Doria, desde 21 de maio, 25.235 abordagens foram feitas no bairro. Deste total, houve 10.786 encaminhamentos para centros de acolhida.

O projeto de reabilitação da Prefeitura, batizado de Redenção, ainda é desconhecido por dependentes, no entanto. Eles revelam não saber as propostas da atual gestão, e ainda dizem fazer parte do Braços Abertos, programa de redução de danos criado pelo ex-prefeito Fernando Haddad – e supostamente extinto por Doria.

A Prefeitura também montou contêineres na sede da GCM, que também fica no Centro, para facilitar o atendimento aos dependentes químicos. A estrutura oferece alojamento, alimentação e assistência médica. Ela seria instalada na própria Praça Princesa Isabel, mas o plano foi frustrado após protestos de comerciantes e moradores do entorno.

Doria promete revitalizar a Nova Luz até o fim de 2019. Para cumprir o prazo, vai utilizar uma manobra jurídica polêmica e tomar posse de imóveis particulares do bairro em caráter de emergência. O tucano disse que vai demoli-los para reurbanizar a área e construir, entre outros equipamentos públicos, moradias populares e um hospital. A demolições já começaram e, inclusive, deixaram feridos em um acidente.

Deixe o seu comentário no Verdade Gospel.

Fonte: G1

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CLOSE
CLOSE