Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 15/12/2016 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Superação: em 2017 Brasil vai voltar a crescer, afirma ministro

Henrique Meirelles vê PIB forte e diz que país volta a crescer no próximo ano

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que a economia dará sinais de forte crescimento no fim de 2017 e que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro voltará a ter uma expansão mais acelerada a partir de 2018. “Estamos em um processo de superação desta crise. As previsões já são unânimes de que o país vai crescer no próximo ano, principalmente, quando medirmos trimestre com trimestre. E é o que interessa de fato”, disse ele durante o seminário Correio Debate – Desafios para 2017 ontem, na sede do informativo ‘Correio Braziliense’.

“A nossa previsão é que sairemos do próximo ano crescendo e, certamente, entrando em 2018 com uma trajetória de crescimento muito forte, apesar de estarmos enfrentando a maior recessão da história”, garantiu o ministro, que prevê alta de 2,8% nos últimos três meses de 2017 em relação ao mesmo período deste ano.

Meirelles sinalizou que, na economia, o cronograma está andando dentro do planejado, apesar da crise política “O programa de ajuste segue normalmente, sem interrupções e sem soluços, forte, e temos certeza de que será bem-sucedido”, disse. O ministro destacou que o principal objetivo do governo para 2017 é a recuperação da economia e a consolidação do ajuste fiscal, que “estabelecerá as bases para o avanço da economia nos anos seguintes”. “Esperamos que o crescimento aumente gradualmente nos próximos anos. Hoje, a capacidade de o Brasil crescer, que é a previsão para 2018, é ao redor de 2,5% ao ano, mas poderá chegar até 4% nos anos seguintes, em virtude de todas as reformas que estão sendo feitas agora”, assegurou.

Meirelles fez questão de destacar que a recessão profunda que o Brasil está enfrentando, com alto índice de desemprego, é resultado de uma crise econômica que “foi herdada” do governo anterior, mas que os sinais de retomada começam a aparecer. “Estamos já em processo de crescimento em 2017, quando terminaremos o ano com um produto substancialmente superior ao do final deste ano”, destacou.

Ele lembrou que o ajuste fiscal está em curso para essa retomada e reiterou que a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que limita o crescimento dos gastos públicos à inflação por 20 anos, a PEC do Teto, que será promulgada hoje pelo Congresso Nacional, é uma “vitória extraordinária”. “É a primeira vez em 28 anos que se limita constitucionalmente o crescimento do gasto público no Brasil, e isso vai gerar resultados que vão ser positivos por décadas”.

O evento foi aberto pelo vice-presidente executivo do Correio, Evaristo de Oliveira. Ele afirmou que é preciso reconhecer as conquistas significativas no processo de recuperação do país como a PEC do Teto. “É a primeira vez que se escreve na constituição algo com força para disciplinar os gastos da União”, ressaltou ele, lembrando que a desordem fiscal leva o país a ter “uma das maiores cargas tributárias do mundo”. O mediador do debate foi o editor executivo do Correio, Vicente Nunes.

Além de Meirelles, o seminário teve a participação do secretário do Programa de Parcerias de Investimentos, Moreira Franco, de economistas e de representantes de entidades do setor produtivo.

Meirelles elogiou a iniciativa do Correio e sugeriu um novo evento no fim de 2017 para comprovar as previsões que ele fez. “Vamos estar vivendo um ambiente completamente diferente, com fisionomia mais sorridente, o que é normal num momento em que as coisas passam para melhor”, afirmou. Ele lembrou que, no alfabeto chinês, o ideograma para crise é o mesmo de oportunidade. “Isso pode ser uma inspiração para nós brasileiros”, disse.

O ministro reconheceu que é difícil investir no país e, agora que a PEC do Teto foi aprovada, o governo prepara medidas para facilitar os negócios — uma parte delas será anunciada hoje. “O Brasil precisa facilitar a vida dos brasileiros para que todos possam produzir, na hora de pagar imposto, na hora de emitir nota fiscal… Tudo isso estamos trabalhando”, afirmou. Ele adiantou que o governo vai anunciar uma alternativa ao Refis para as empresas, permitindo abatimento de dívidas com a Receita Federal com prejuízos, mas não deu muitos detalhes.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Correio Braziliense

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *