Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 10/10/2014 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Sumiço de Kim Jong-un dá origem a rumores sobre golpe

Kim_Jong-un

Ditador da Coreia do Norte não aparece em público há mais de um mês

Quando as aparições públicas são uma das principais ferramentas da máquina de propaganda, o sumiço da figura mais poderosa do país se torna especialmente notável. Na Coreia do Norte, o desaparecimento de Kim Jong-un, que já dura mais de um mês, alimenta especulações sobre um possível golpe no país mais fechado do mundo.

O último ato público de Kim Jong-un ocorreu em 3 de setembro. Desde então, ele deixou de prestigiar eventos importantes, entre eles uma reunião da Assembleia Suprema do Povo, que reuniu representantes do partido comunista único que comanda o país e militares. Na terça-feira, o ditador perdeu a celebração do 17º aniversário da eleição de seu pai Kim Jong-il como secretário-geral do partido.

A ausência provocou ainda mais estranhamento depois que três nomes fortes do regime norte-coreano fizeram uma visita surpresa ao vizinho do Sul na cerimônia de encerramento dos Jogos Asiáticos, no fim de semana. O trio ainda concordou em retomar o diálogo oficial com a Coreia do Sul. Um dos representantes era Hwang Pyong-so, nomeado recentemente diretor do Escritório Político Geral do Exército, a posição política mais alta na área militar.

Por enquanto, representantes dos Estados Unidos e da Coreia do Sul acreditam que o ditador norte-coreano pode estar doente, mas não veem sinais de golpe. Fato é que rumores sobre golpes são uma constante no regime comunista. “A última vez foi quando todos previram que Kim Jong-un seria deixado de lado por seu tio mais experiente. E veja o que aconteceu com ele”, disse um integrante do governo americano ao jornal The New York Times.

Acusações de que Jang Song Thaek planejava tomar o poder tiveram um desfecho dramático quando o tio e mentor de Kim Jong-un foi executado pelo regime. E, como no totalitarismo não basta fuzilar, é preciso difamar, humilhar e mostrar, Jang ainda foi descrito como traidor e “escória humana desprezível, pior do que um cachorro”.

Nos primeiros dias de reclusão, as suspeitas giravam em torno do estado de saúde do ditador. No final de setembro, uma agência de notícias sul-coreana publicou que o ditador sofre de gota, doença que causa inflamação nas articulações e compromete os movimentos. Pouco depois foi divulgado que ele havia sido submetido a cirurgias nos tornozelos. Em um documentário veiculado no final de setembro, o tirano aparecia mancando em uma visita a uma fábrica. A imprensa oficial norte-coreana limitou-se a dizer que Kim estava sofrendo com um “incômodo”.

Se alguns analistas acreditam que o ditador pode realmente estar apenas se recuperando, há muitos que sugerem que ele tenha perdido poder para integrantes mais experientes do regime, seja por meio de uma revolta planejada ou por um modelo que o mantenha apenas como uma figura de proa. Essa é a aposta do desertor Jang Jin-sung, que atuou na propaganda norte-coreana quando Kim Jong-il estava no poder. “Ele se tornou líder supremo de maneira simbólica. Ele não herdou necessariamente toda lealdade, confiança, conexões, experiência. Ele chegou como um novato e sua posição no sistema não é a mesma”, avaliou Jang, em entrevista à rede americana CNN. Para ele, o poder está nas mãos do Departamento de Organização e Orientação, do qual Hwang faz parte.

Esta sexta-feira pode ser uma oportunidade para acabar com o mistério – ou para aumentá-lo. O aniversário de 69 anos da fundação do Partido dos Trabalhadores (o nome oficial do partido comunista norte-coreano) é uma ocasião propícia para uma aparição pública de Kim Jong-un. Nos últimos dois anos, ele marcou a data com uma visita ao mausoléu em Pyongyang onde ficam os corpos de seu pai e de seu avô.

Se ele estiver se recuperando da cirurgia, é fácil imaginar que a Coreia do Norte não queira divulgar do ditador fragilizado. De qualquer forma, as especulações vão continuar até que ele apareça. “Haverá um momento em que, se Kim ainda não aparecer em público, então poderemos supor que há um problema sério”, disse ao NYT John Delury, especialista em Coreia do Norte da Universidade Yonsei, em Seul. “A questão é saber quanto tempo”.

Deixe seu comentário no Comerj.

Fonte: Veja

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *