Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 26/02/2014 em Mensagens Pastores | Nenhum comentário

Sugestões para a saúde integral do homem – Parte 2

(Continuação)

6 – Mantenha seu compromisso com uma vida de santidade

“Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação;…” (1 Ts 4.3) A falta de compromisso com santidade, é um forte sintoma de que a vida espiritual não vai bem. O cristão deve crescer em santidade, este é o propósito da ação do Espírito Santo em nossas vidas. Sem santidade ninguém verá o Senhor (Hb 12.14). Foi Jesus quem disse: “Bem-aventurados os puros de coração, porque eles verão a Deus” (Mt 5.7) Deus é santo, por isso tudo o que se relaciona com Ele deve ser santo, inclusive eu e você (1 Pe 1.16). Quando Isaias contemplou a pureza absoluta da santidade de Deus e do seu caráter, brotou nele uma convicção esmagadora da sua própria impureza (Is 6.5). Espiritualidade sadia deve se manifestar pelo desejo intenso de viver uma vida em santidade crescente.

7 – Diga sempre não ao pecado, ele é a principal causa da estagnação e perda da vitalidade espiritual

“Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências”. (Rm 6.12) O pecado é a principal causa da estagnação e perda da vitalidade espiritual. Pecado é tudo aquilo que compromete a sua comunhão com Deus, com o corpo de Cristo que é a igreja e estagna a sua vida espiritual. Está escrito: “Mas as vossas iniqüidades fazem divisão entre vós e o vosso Deus, e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça” (Is 59.2). O apóstolo Paulo preocupado com a vida espiritual da igreja em Roma, escreveu: “Pois sabemos isto, que o nosso velho homem foi com ele crucificado, para que o corpo do pecado seja desfeito, a fim de não servirmos mais ao pecado …” (Rm 6.6).

8 – Procure cultivar sempre uma vida permeada pela presença de Deus

“Uma coisa pedi ao Senhor, e a buscarei: que possa morar na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a formosura do Senhor, e aprender no seu templo”. (Sl 27.4) Quando falo em vida permeada pela presença de Deus, isto pode ser traduzido em devoção à Escritura, intimidade em oração e em comunhão com os santos. A presença de Deus deve se manifestar em tudo aquilo que fazemos para o louvor e glória do seu nome.

9 – Viva como filho do Rei e não como um súdito

“…porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus” (Rm 8.14). A primeira coisa que o diabo procurou fazer no deserto ao tentar Jesus, foi lançar dúvida em seu coração quanto a sua filiação divina: “O tentador chegou-se a ele e disse: Se tu és o Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães”. (Mt 4.3) Jesus o venceu com a Palavra (Mt 4.4). Muitos cristãos não estão vivendo aquilo para o qual Deus os criou, porque ainda há dúvida quanto a sua filiação divina. Se você nasceu de novo e se tornou templo do Espírito Santo, você é filho de Deus e deve viver com essa convicção (Jo 1.12).

10 – Tenha um coração de servo. Servir é uma atitude de quem experimentou a libertação do espírito de orgulho

“Não sejais vagarosos no cuidado, mas sede fervorosos no espírito, servindo ao Senhor” (Rm 12.11). A saúde espiritual de um cristão pode ser aferida na sua pré-disposição em servir. Jesus nos deixou o exemplo quando disse: “Pois o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos” (Mc 10.45). Nenhum outro gesto de Jesus marcou mais a mente dos discípulo, do que quando Ele assumiu a posição do menor escravo da casa e lavou os pés dos discípulos (Jo 13.5,6). Ao fazer isto, Jesus estava ensinando que no reino de Deus só serve aqueles que servem. Quem age assim, demonstra viver uma espiritualidade sadia. Lembre-se, é impossível servir a Deus se não estamos servindo de coração ao próximo. (Lc 10.25-37)

11 – Viva como um vaso de honra na grande casa de Deus

“De sorte que, se alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e idôneo para uso do Senhor, e preparado para toda a boa obra”. (2 Tm 2.21) Deus usa um “vaso pequeno” mas não pode usar um “vaso sujo”. As vasilhas de prato ou ouro que eram usadas na espoca em que esta epistola foi escrita, eram usadas em momentos especiais na casa, eram os “vasos de honra”. Porém aquelas que serviam para colocar o “lixo da casa” eram os “vasos de desonra”. O apóstolo Paulo ao escrever ao jovem Timóteo, estava dizendo: “Seja uma vasilha separada para uso exclusivo do seu Senhor”. Todos que desejam ser usados por Deus em tarefas especiais, devem buscar viver uma vida de santidade ao Senhor.

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *