Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 04/07/2016 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

STF ordena quebra de sigilo bancário de Waldir Maranhão

Presidente interino da Câmara foi alvo da Operação Miqueias, deflagrada em 2013, que apurava um esquema de lavagem de dinheiro em fundos de previdência de municípios

Presidente interino da Câmara foi alvo da Operação Miqueias, deflagrada em 2013, que apurava um esquema de lavagem de dinheiro em fundos de previdência de municípios

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, ordenou a quebra de sigilo bancário do presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), segundo reportagem do jornal ‘Folha de S. Paulo’ desta segunda-feira (4). A decisão foi tomada no dia 27 de junho, depois de a Procuradoria-Geral da República apontar, em petição, “fortes indícios” de envolvimento do parlamentar em fraudes com institutos de previdência de servidores públicos.

A ação no STF decorre da Operação Miqueias, deflagrada pela Polícia Federal em setembro de 2013, que apurava a existência de uma rede de empresas de fachada usadas para lavagem de dinheiro que estavam no nome do Fayed Antoine Traboulsi, e que teria desviado 50 milhões de reais. Em um dos esquemas, Maranhão aparece como intermediário.

Segundo a PF, o grupo usava contas bancárias de empresas fantasmas que eram abastecidas com dinheiro relacionado à venda de títulos a diversos fundos de previdência estaduais e municipais. De acordo com as investigações, o esquema usava corretores de valores para cooptar prefeitos e gestores dos fundos de previdência, com o objetivo de adquirir papeis podres – que não têm valor no mercado e que a curto e médio prazos gerariam prejuízos aos fundos. Em troca da aquisição, os criminosos remuneravam os agentes públicos com dinheiro e presentes.

Reportagem de ‘Veja’ revelou, em maio deste ano – quando Maranhão assumiu a presidência da Câmara após o STF afastar o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) – que, em um dos casos investigados pela PF, o deputado aparece como intermediário de um “negócio” de 6 milhões de reais com a prefeitura de Santa Luzia, no interior maranhense. Em troca, o parlamentar teria recebido 1% da operação: 60.000 reais.

Um participante do esquema contou aos investigadores que uma parte da comissão – 10.000 reais – foi depositada na conta da mulher de Waldir Maranhão. O pedido, disse a testemunha, foi feito pelo próprio deputado, que “precisava do dinheiro para pagar uma viagem para o Rio de Janeiro”, às vésperas do réveillon.

Durante as investigações, Waldir Maranhão foi flagrado em conversas telefônicas com o doleiro quando o esquema estava no auge. Nos diálogos, o deputado aparece como um legítimo funcionário do doleiro: chega a marcar encontros de Fayed com prefeitos aliados, faz visitas a autoridades para resolver assuntos de interesse do esquema e atua como captador de novos negócios para a quadrilha.

O advogado de Waldir Maranhão, Michel Saliba, afirmou que a quebra de sigilo é “absolutamente normal dentro de um procedimento investigatório” e que ele está à disposição para dar esclarecimentos. “O deputado está absolutamente tranquilo sobre a investigação. Quanto mais se investiga, mais se concluirá pela absolvição do deputado”, disse o defensor.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Veja

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *