Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 22/09/2016 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Síria: ONU retoma ajuda humanitária e envia comboio a zona cercada

cenario-reproducao

Cenário de local atingido por bombardeio era de muitas chamas. Ataque contra deixou caminhões com mantimentos destruídos na região de Aleppo, na Síria

A ONU retomou a ajuda humanitária na Síria após ter sido suspensa devido ao ataque contra caminhões na última terça-feira (20). A entidade enviou outro comboio a uma zona cercada da periferia de Damasco, anunciou um porta-voz em Genebra.

“Hoje enviamos um comboio interagências (…) com ajuda de emergência para os habitantes de uma zona cercada da província de Damasco”, e a ONU espera formar parte de outros nestes “próximos dias”, disse o porta-voz do Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) em um comunicado.

Ataque

Comboio de 31 caminhões pouco antes de partir em direção à região rural de Aleppo, na Síria. Dezoito caminhões foram atingidos pelo ataque aéreo

Comboio de 31 caminhões pouco antes de partir em direção à região rural de Aleppo, na Síria. Dezoito caminhões foram atingidos pelo ataque aéreo

Pelo menos 18 caminhões de um comboio de ajuda humanitária, organizado pela ONU e pelo Crescente Vermelho, foram atingidos por um bombardeio na segunda-feira (19) perto da cidade de Urum al Kubra, no norte da província de Aleppo.

O ataque matou 20 civis e um funcionário da organização humanitária Crescente Vermelho.

Segundo o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, o comboio de 31 caminhões levava mantimentos para 78 mil pessoas que estão isoladas em Urum al Kubra. O incidente ocorreu durante um ataque aéreo na cidade.

Responsabilidade

Os EUA responsabilizaram a Rússia pelo ataque aéreo a um comboio humanitário. O porta-voz do Departamento de Estado, John Kirby, disse em comunicado que tanto o governo russo como o regime de Assad “conheciam o destino deste comboio”.

“Os Estados Unidos vão tratar deste tema diretamente com a Rússia. Dada esta violação flagrante da cessação de hostilidades, nós vamos pensar nas perspectivas futuras de cooperação com a Rússia”, afirmou Kirby.

O Ministério da Defesa da Rússia negou enfaticamente que aeronaves russas ou sírias tenham atacado o comboio e afirmou que os caminhões foram destruídos por um incêndio, que “misteriosamente começou de forma simultânea com a ofensiva das milícias sobre Aleppo”.

O porta-voz do Ministério russo da Defesa, Igor Konashenkov, insinuou que os rebeldes seriam responsáveis pela destruição da ajuda humanitária. “Toda informação sobre a localização do comboio estava disponível apenas aos militantes que controlam essas áreas”, disse.

“Não há sinais de cratera e os automóveis também não apresentam danos no chassi como resultado de um choque explosivo”, afirmou Konashenkov, reiterando que o comboio não sofreu nenhum ataque aéreo.

Porém o assessor de segurança nacional da Casa Branca, Ben Rhodes, afirmou que se trata de um ataque aéreo. “Toda a informação que temos indica claramente que isso foi um ataque aéreo, o que significa que há somente duas entidades que podem ser responsáveis: o regime sírio ou o governo russo”, ressaltou.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: G1

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *