Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 16/01/2017 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Rodrigo Janot quer 3º mandato e provoca polêmica entre procuradores

Críticos ao chefe do Ministério Público se disseram surpresos pela decisão

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, estuda disputar um terceiro mandato para o cargo. A decisão do condutor das investigações da Operação Lava Jato, que não foi formalizada, já causa reações entre membros do Ministério Público Federal (MPF).

Um de seus principais opositores, o subprocurador Carlos Frederico, publicou mensagem crítica à postura de Janot no fórum de discussões virtual dos procuradores da República, de acesso restrito à categoria.

Segundo informações do jornal ‘O Globo’, Frederico chegou a compará-lo a Geraldo Brindeiro, que atuou como procurador-geral durante a gestão de Fernando Henrique Cardoso. Brindeiro ficou conhecido como “engavetador geral da República”, pela pouca disposição de denunciar autoridades.

“Com surpresa, vejo agora Janot ‘brindeirar’, ao avaliar permanecer no cargo… Por mais quanto tempo? Às custas de quê? Se o futuro a Deus pertence, o passado tem suas linhas escritas na história, e não há como distorcer fatos, principalmente onde não há ambiguidade”, escreveu Carlos Frederico.

Um procurador que não quis se identificar avalia que a posição deve enfrentar ainda mais resistência no MPF. Já os aliados de Janot defendem que a permanência dele no cargo garantiria a continuidade da Operação Lava Jato, que chega a um momento delicado com a homologação da delação de executivos da Odebrecht.

De acordo com a Constituição, cabe ao presidente da República nomear o procurador-geral para mandato de dois anos, sendo possível a recondução ao cargo. Não há um limite de reconduções.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Notícias ao Minuto

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CLOSE
CLOSE