Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 16/01/2014 em Brasil e Mundo, Destaques, Notícias | Nenhum comentário

Projeto que veta casamento gay aguarda para ser votado na Câmara; saiba mais

Arolde-AgCâmara

Deputado Arolde de Oliveira reclama que o CNJ extrapolou suas competências ao regulamentar o casamento gay

O deputado Arolde de Oliveira (PSD/RJ) quer suspender por meio de projeto de lei resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), datada de 14 de maio do ano passado, que obriga cartórios de todo o Brasil a aceitar o registro de casamentos de homossexuais. O projeto de Decreto Legislativo (PDC), de autoria do parlamentar, foi apresentado também em 2013, e agora aguarda relatório da Comissão de Constituição e Justiça para entrar ou não na pauta de votação do plenário da Câmara dos Deputados. O recesso parlamentar termina na primeira semana de fevereiro.

Leia também: Senador evangélico Walter Pinheiro do PT tenta se defender; Pr. Silas comenta

Para ir a plenário a matéria já conta com parecer favorável da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, sob a presidência do deputado Marco Feliciano (PSC/SP), e com o aval do relator do projeto, deputado Pastor Eurico (PSB/PE). Se aprovado na Comissão de Constituiçõa e Justiça, a matéria poderá ser pautada para votação em plenário.

Se aprovado, o projeto de Arolde susta os efeitos da resolução do CNJ que “dispõe sobre a habilitação, celebração de casamento civil, ou de conversão de união estável em casamento, entre pessoas de mesmo sexo”. O parlamentar argumenta que a norma em vigência “extrapola as competências do CNJ, em suas atribuições de órgão regulador administrativo do Judiciário”, afirma o pastor Eurico, endossando justificativa de Arolde ao projeto que barra a união oficial de casais homossexuais.

Repercussão mundial

Na época da publicação da resolução do CNJ, os principais jornais do mundo reproduziram a decisão. Na manhã do dia que a resolução foi publicada, a notícia era a mais compartilhada pelos internautas do “Le Monde”, de Paris, à frente do texto sobre a decisão da atriz norte-americana Angelina Jolie de retirar os seios após saber que tinha 87% de chance de ter câncer. A manchete dizia: “Justiça exige o registro dos casamentos homossexuais”.

O assunto repercutiu em outros países da Europa. O “The Telegraph”, de Londres, lembrou que, “como o Brasil é o maior país católico do mundo, o casamento gay é uma questão decisiva”. O texto ainda dizia que o Brasil foi o terceiro país da América Latina a dar “sinal verde para o casamento de pessoas do mesmo sexo”, após Argentina e Uruguai. O texto publicado no site do espanhol “El País” afirma que, até então, nem todos os juízes aceitavam o casamento civil entre gays.

Nos Estados Unidos, o tema apareceu em dois dos maiores jornais do país. O “New York Times” declarou que a decisão do CNJ “abre caminho para que casais gays do maior país da América Latina possam casar”. Ao relatar a decisão, a notícia publicada no endereço eletrônico do “Washington Post” afirmou que “os esforços de aprovar uma lei no Congresso Nacional têm sido frustrados por legisladores evangélicos conservadores”. O “Clarín”, de Buenos Aires, afirmou que o CNJ “decidiu acelerar os passos para a concretização do casamento entre pessoas do mesmo sexo, já que falta uma lei, que ainda tramita no Congresso”.

Reação no Brasil

No Brasil, em contrapartida, o PSC do deputado Marco Feliciano entrou com mandado de segurança, no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo a revogação da resolução do CNJ. O relator da ação e ministro do STF, Luiz Fux, negou liminar ao mandado de segurança. Para o ministro, o CNJ tem competência para regulamentar questões internas da Justiça de acordo com valores constitucionais.

Na sequência ao pedido negado pelo Supremo, o deputado Arolde de Oliveira apresentou o projeto para sustar a resolução do CNJ.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: EM

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *