Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 18/07/2016 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Problema de todos: Turbulência na Turquia preocupa o mundo; entenda

dtq-turquia-0

A Turquia é um país dividido e infeliz. As motivações da tentativa de golpe de Estado do último final de semana não estão claras, mas tentou-se tomar o poder no momento em que a Turquia sofre o contágio da violência da guerra na Síria e por divisões causadas pelo projeto do presidente Recep Tayyip Erdogan de transformar o país.

O governo turco acusou indiretamente o clérigo islâmico Fethullah Gulen de estar por trás do golpe fracassado.

No passado, Erdogan já acusou Gulen por uma série de problemas do país.

O primeiro-ministro, Binali Yildirim, ameaçou qualquer país que der “suporte” a Gulen. “Não será amigo da Turquia e será considerado em guerra contra a Turquia”, afirmou.

Gulen vive em um autoexílio nos Estados Unidos. Ele já foi aliado de Erdogan, e chegou a ser considerado o segundo homem mais poderoso da Turquia, depois do presidente.

Erdogan fortalecido?

A Turquia é importante no Oriente Médio por sua localização geográfica, com um pé na Europa e outro na Ásia. Também porque é um membro de peso na Otan (aliança militar do Ocidente) e porque o presidente islamista Erdogan e seu partido AKP mantêm interesse especial pelos governos muçulmanos sunitas da região.

Em discurso que uma apresentadora turca disse ter sido obrigada a ler, os responsáveis pela tentativa de golpe disseram que estavam tentando restaurar a democracia secular do país.

O partido do governo AKP se tornou especialista em vencer eleições, mas sempre houve dúvidas sobre o comprometimento de longo prazo de Erdogan com a democracia.

Ele uma vez comparou a democracia com um ônibus que você pega até seu destino e depois desce.

Erdogan é um político islamista que rejeitou a herança secular turca. Ele se tornou autoritário gradativamente, prendendo jornalistas incômodos e outros cidadãos.

Agora que conseguiu evitar o golpe, ele poderia tentar impor um regime ainda mais duro ao país.

Erdogan foi primeiro-ministro por muitos anos, de 2003 a 2014. Ele agora tenta alterar a Constituição do país para se transformar em um presidente com amplos poderes concentrados no Executivo.

Jogador chave

Erdogan e suas gestões se envolveram na guerra civil na Síria desde o início do conflito, em 2011, apoiando milícias islâmicas que combatem o regime do presidente Bashar al-Assad.

A violência, contudo, ultrapassou as fronteiras da Síria. Acabou reacendendo o conflito do governo turco com os curdos do PKK e tornando o país um alvo para os militantes que se autodenominam Estado Islâmico.

O Ocidente vê a Turquia como parte da solução no Oriente Médio. Isso requer estabilidade, e sem ela pode-se fazer uma simples equação:

Turbulência no Oriente Médio + turbulência na Turquia = problemas para todos.

Mas é possível dizer que a Turquia também construiu os próprios problemas na região e está altamente presa aos conflitos de seus vizinhos.

As gestões de Erdogan mostraram um desejo muito maior de se envolver em conflitos no Oriente Médio do que o povo turco.

Ele tem sido um apoiador chave das milícias majoritariamente islâmicas que vem lutando contra o presidente sírio desde 2011.

Erdogan melhorou recentemente as relações da Turquia com Israel, mas ele também tem afinidade natural com o grupo militante palestino Hamas, inimigo de Israel, com quem divide raízes na chamada Irmandade Muçulmana.

E a Turquia é vista pela União Europeia como parte vital dos esforços para controlar o fluxo de migrantes do Oriente Médio.

A Turquia está enfrentando cada vez mais turbulência, e a tentativa de derrubar o presidente Erdogan não será a última.

Mais de 100 generais são presos após golpe frustrado

O Comando Geral de Segurança da Turquia anunciou nesta segunda-feira (18) que suspendeu 7.850 policiais por sua suposta relação com tentativa fracassada de golpe militar na sexta-feira passada, informou o jornal Hürriyet. Também foram detidos 30 governadores, 103 generais e almirantes – quase um terço da cúpula das Forças Armadas – e mais de 2.700 juízes foram afastados.

A detenção em massa acontece por ocasião das investigações de possíveis golpistas no exército, no judiciário e na polícia. A lista dos agentes presos e afastados foi enviada às províncias e os policiais afetados já foram chamados às direções de segurança de suas regiões, onde tiveram que entregar suas armas e suas identificações.

Mais de 290 pessoas morreram na sexta-feira, pelo menos 190 delas contrárias ao golpe militar, e outras 1.440 mil ficaram feridas, entre civis, militares e policiais opositores. Durante a noite, os envolvidos no golpe atacaram uma série de instalações em Ancara, inclusive o prédio do Estado-Maior, as sedes da polícia, do Ministério do Interior e o Parlamento.

Depois do apelo do presidente do país, Recep Tayyip Erdogan, as ruas das principais cidades da Turquia foram tomadas por milhares de pessoas contrárias ao golpe. De acordo com o ministro da Justiça turco, Bekir Bozdag, cerca de 6 mil pessoas foram presas, ao todo, após o fracasso.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: G1 e Veja

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *