Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 19/07/2016 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Presidente turco aceitará pena de morte, se Parlamento aprovar; entenda o problema

dtq-erdogan-turquia

Turquia não poderá integrar União Europeia se reintroduzir pena de morte. A afirmação foi feita pela chefe de política externa da UE. Erdogan cogitou voltar a usar pena capital após tentativa de golpe

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse nesta segunda-feira (18) que dará seu aval à pena de morte se a medida for aprovada pelo Parlamento. Porém, se isso acontecer o país será excluído da União Europeia (leia mais abaixo). Desde a tentativa de golpe da última sexta (15), a hipótese vem sendo considerada por Ancara para punir envolvidos na tentativa de golpe, informou matéria da ‘Agência Brasil’.

Na manhã desta terça-feira (19), um homem que vestia uniforme militar foi morto pela polícia turca depois que abriu fogo diante do tribunal de Ancara. O episódio ocorreu no tribunal, no momento em que 27 generais e almirantes detidos pelo golpe prestavam depoimento, entre eles Akin Ozturk, considerado um dos principais estrategistas da tentativa de assumir o poder. Ele foi comandante da Força Aérea turca de 2013 a 2015 e é próximo do clérigo islâmico Fethullah Gullen, que vive em exílio nos Estados Unidos e teria ajudado a articular o golpe.

De acordo com a imprensa turca, os 27 oficiais detidos representam quase um terço dos generais do país. Além deles, o governo de Erdogan suspendeu o mandato de 30 prefeitos, do total de 81. O primeiro-ministro da Turquia, Binali Yildirim, informou que subiu para 313 o número de mortos e para 1.491 o de feridos nos combates relacionados à tentativa de golpe.

Destas vítimas, 146 eram civis, 60 atuam como policiais, três eram soldados e 104 eram militares golpistas. Já as pessoas presas por ligação com a tentativa de golpe são 7.543, sendo 6.030 militares.

Uma ala do Exército turco que seria próxima a Gullen tentou assumir o poder na noite de sexta-feira (15), na Turquia, colocando tanques na rua e caças F-16 sobrevoando as principais cidades do país. Mesmo com sua popularidade baixa, Erdogan conseguiu reverter a situação depois de cinco horas. Parte da população que o apoia também lutou contra os militares.

Pena de morte tira Turquia da UE

A chefe de política externa da União Europeia, Federica Mogherini, afirmou nesta segunda-feira (18) que a Turquia não poderá integrar o bloco europeu caso reintroduza a pena de morte, segundo a emissora de TV CNN. A possibilidade foi levantada após uma tentativa de golpe no país na última sexta-feira (15).

“Deixe-me ser clara em uma coisa: nenhum país pode se tornar um estado membro da UE se introduz a pena de morte”, disse Mogherini.

Mais tarde, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse também à CNN que cabe ao Parlamento do país decidir se restabelece a pena de morte – mas, se assim for definido, ele tornará lei essa medida.

A Turquia aboliu a pena de morte em 2004 para cumprir requisitos de acesso à União Europeia e não realiza nenhuma execução desde 1984.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Agência Brasil e G1

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *