Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 05/10/2016 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Polícia Federal indicia Lula e seu sobrinho Taiguara por corrupção

Investigadores aponta que “há indícios de vantagens auferidas pelo ex-presiden

Investigadores aponta que “há indícios de vantagens auferidas pelo ex-presidente e seus familiares”

Conforme ‘Veja’ antecipou na última sexta-feira (30/09), a Polícia Federal indiciou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o seu sobrinho, Taiguara Rodrigues dos Santos, na Operação Janus. O inquérito, com mais de 250 páginas, foi entregue nesta terça-feira (4) ao Ministério Público Federal — que vai avaliar se oferecerá denúncia ou não contra o petista. A investigação mira em contratos milionários firmados entre a Odebrecht e a empresa Exergia Brasil, cujo sócio é Taiguara Rodrigues dos Santos, para a realização de obras em Angola.

De acordo com o relatório da Polícia Federal, obtido por ‘Veja’, há “indícios de vantagens auferidas pelo ex-presidente e seus familiares em decorrência de supostos serviços prestados”. No esquema delineado pelos investigadores, Lula atuava como “verdadeiro lobista da construtora Odebrecht”. Formalmente, a empreiteira contratava o ex-presidente para dar palestras em países da América Latina e da África, onde a empresa desenvolve projetos bilionários financiados pelo BNDES. Ao todo, Lula recebeu 7,6 milhões de reais da Odebrecht em sua empresa, a L.I.L.S., e em doações ao Instituto Lula. Nessas andanças pelo exterior, o ex-presidente se encontrava com chefes de estados e autoridades estrangeiras com os quais discutia assuntos do interesse da construtora, conforme revelam telegramas do Itamaraty analisados pelos investigadores. “Percebe-se, no contato de alguns telegramas, a atuação de Lula no intuito de beneficiar a construtora”, diz o relatório da PF.

Em algumas dessas viagens para o exterior, Lula foi acompanhado pelo ex-diretor de relações institucionais da Odebrecht, Alexandrino Alencar. Conforme ‘Veja’ revelou na última sexta-feira, o lobista da empreiteira, ao negociar seu acordo de delação, afirmou que Taiguara foi contratado pela Odebrecht a pedido de Lula, no mesmo ano em que o BNDES aprovou um financiamento para a empreiteira construir a hidrelétrica de Cambambe, em Angola. Foi nessa obra que Taiguara prestou serviço à construtora e recebeu 3,5 milhões de reais.

Mensagens no WhatsApp

Dentre as provas utilizadas pela Polícia Federal em seu relatório, estão mensagens e documentos apreendidos pelos investigadores no computador de Taiguara. Conforme ‘Veja’ revelou, foi encontrado o seguinte diálogo no Whatsapp do sobrinho de Lula:

Taiguara: Hoje quando o HOMEM me ligou fiquei felizão

Taiguara: Mandei SMS e 05 segundos ele ligou

Taiguara: Quarta estarei com ele

(…)

Fábio Oktober: Mandou no direto dele?

Taiguara: No segurança

Taiguara: Que é o contato oficial. Aí ele falou: o que está acontecendo companheiro

Taiguara: Foi legal

Taiguara: Vai mexer todos os pauzinhos a teu favor

(…)

 Taiguara: A T7 vai bombar mais que a Exergia

 Taiguara: E o TIO dando empurrãozinho

Taiguara: O Tio hoje preocupado com Cuba, se vira ou não vira…, ele é f…

Taiguara: Não tem um cara igual a esse na minha vida…Ele me trata melhor que os filhos

Documentos

Os investigadores também encontraram um arquivo que revela como Taiguara agia em nome de Lula. No documento, de setembro de 2009, o sobrinho do ex-presidente escreve para “Dr. Helder”, identificado pela PF como Helder João Beji, ex-funcionário do Tribunal de Contas de Angola. Na correspondência, Taiguara diz que está enviando uma reportagem sobre o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula e preso na Operação Lava Jato.

“Esse mesmo (Bumlai) me procurou a pedido do Chefe Maior, e de seu filho, para tocarmos em conjunto projetos em Angola. Estamos falando de um empresário do mais alto escalão, e que está a nossa disposição. Ele é muito poderoso meu irmão. Projeto acima de US$ 100 milhões é a sua pretensão”, escreveu. A insistência de Taiguara em prospectar negócios na África deu certo. A sua empresa, Exergia Brasil, associou-se com uma companhia portuguesa em Angola — e foi contratada pela Odebrecht para a obra de construção da hidrelétrica de Cambambe, que recebeu um empréstimo de 464,4 milhões de dólares do BNDES. Somente por esse serviço prestado, Taiguara, sem experiência na área de engenharia, recebeu 3,5 milhões de reais.

A existência do negócio entre Taiguara e a Odebrecht foi revelada por ‘Veja’ em fevereiro de 2015. Antes de virar parceiro de negócios da Odebrecht, Taiguara era dono de uma pequena vidraçaria. Transformado em empreiteiro de uma hora para a outra, comprou uma cobertura, enamorou-se por carrões e ostentou riqueza nas redes sociais. Na esteira das viagens internacionais do tio Lula, prospectou negócios na América Central e na África. Taiguara sempre negou qualquer favorecimento da Odebrecht.

Taiguara é filho de Jacinto Ribeiro dos Santos, o Lambari, amigo de Lula na juventude e irmão da primeira mulher do ex-presidente. Funcionários do governo e executivos de empreiteiras costumavam identificá-lo como “o sobrinho do Lula”.

Lula foi indiciado pela Polícia Federal pelo crime de corrupção passiva. Taiguara Rodrigues e Marcelo Odebrecht, preso na Operação Lava Jato, e outros executivos da construtora foram indiciados por corrupção e lavagem de dinheiro.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Veja

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *