Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 03/01/2017 em Gospel, Notícias | Nenhum comentário

Perseguição aos cristãos deve aumentar em 2017, segundo relatório

A perseguição aos cristãos continuará crescendo em 2017, particularmente em países islâmicos onde geralmente ocorre tanto por parte do governo quanto de grupos extremistas. É o que apontam os novos relatórios do Release International e Portas Abertas, organizações que apoiam os cristãos perseguidos no mundo.

O Center for Study of Global Christianity mostrou recentemente um levantamento provando que um cristão foi morto a cada seis minutos em 2016. Essa tendência vem se mantendo em alta pelos últimos anos.

Segundo a Release, os índices de perseguição devem subir no Médio Oriente, Nigéria, Paquistão, Irã, China e Índia no próximo ano. A organização afirma que seu relatório, mostrando uma tendência de aumento dos casos de perseguição para 2017, é “um chamado para o despertamento da igreja e que haja mais orações e apoio prático para os cristãos que vivem nesses países”.

No Oriente Médio, a ostensiva do Estado Islâmico e grupos aliados contra os não muçulmanos, deverá continuar, especialmente na Síria e no Iraque. Isso significa que o conflito irá continuar alimentando a crises de refugiados na região. A Release prevê que o Curdistão, onde quase 2 milhões de pessoas deslocadas estão refugiadas, é motivo de especial preocupação.

Já no continente africano, os ataques contra cristãos no norte da Nigéria – e países vizinhos – continuarão aumentando, pois além dos soldados do Boko Haram, outro grupo que segue os passos do Estado Islâmico é o de pastores Fulani, que vêm atacando os estados do sul.

No continente asiático, o Paquistão tende a aumentar a perseguição aos cristãos baseada em suas “leis de blasfêmia”. A julgar pelos últimos meses de 2016, o quadro que se desenha é multiplicação dos casos de “discriminação religiosa e conversões forçadas ao Islã”. A proximidade com o Afeganistão vem possibilitando a multiplicação de grupos extremistas ligados ao Talibã e a Al Qaeda.

A China é um caso à parte, já que a repressão às igrejas domésticas é amplamente divulgada pelo próprio governo. Os cristãos são vistos como ameaça, e muitos fiéis têm sido falsamente acusados de estarem envolvidos em espionagem e porem em perigo a segurança do Estado.

Até mesmo o Vaticano sinalizou que pretende se dobrar às exigências de que as poucas igrejas oficiais sejam totalmente controladas pelo partido comunista. Aqueles que se recusam continuarão sofrendo retaliações, prisões e, em alguns casos, a morte.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Gospel Prime

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CLOSE
CLOSE