Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 16/06/2016 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

ONU: Na Síria e Iraque, EI está cometendo genocídio contra minorias

Displaced people from the minority Yazidi sect, fleeing violence from forces loyal to the Islamic State in Sinjar town, walk towards the Syrian border, on the outskirts of Sinjar mountain, near the Syrian border town of Elierbeh of Al-Hasakah Governorate August 10, 2014. REUTERS/Rodi Said

Os yazidis são difamados e perseguidos pelo Islã por serem considerados “adoradores do diabo”. Grupo étnico-religioso reúne 400 mil pessoas na Síria e no Iraque. Assim como eles cristãos também são perseguidos e assassinados pelos terroristas do EI

O Estado Islâmico está cometendo genocídio contra os yazidis na Síria e no Iraque na tentativa de destruir o grupo étnico-religioso de 400 mil pessoas por meio de assassinatos, escravidão sexual e outros crimes, disseram investigadores da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta quinta-feira (16).

As crenças yazidis misturam componentes de várias religiões antigas do Oriente Médio.

O relatório da ONU, baseado em entrevistas com dezenas de sobreviventes, afirmou que os militantes islâmicos vêm capturando yazidis na Síria e no Iraque sistematicamente desde agosto de 2014 e procurando “apagar sua identidade” em uma campanha que se encaixou na definição do crime tal como ele é, definido na Convenção do Genocídio de 1948.

“O crime de genocídio deve desencadear uma ação muito mais contundente no nível político, inclusive no Conselho de Segurança (da ONU)”, disse o brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro, que preside a comissão de inquérito, em comunicado.

Vitit Muntarbhorn, membro da comissão, disse que a organização tem “informações detalhadas de lugares, violações e nomes dos perpetradores” e que começou a compartilhar dados com algumas autoridades nacionais que estão processando combatentes estrangeiros.

Os quatro membros independentes da comissão exortaram as grandes potências a resgatarem pelo menos 3,2 mil mulheres e crianças ainda nas mãos do Estado Islâmico e para encaminharem o caso para o Tribunal Penal Internacional (TPI).

“O Estado Islâmico não fez segredo de sua intenção de destruir os yazidis de Sinjar (no Iraque), e esse é um dos elementos que nos permitiram concluir que suas ações equivalem a um genocídio”, disse outra investigadora, Carla del Ponte.

“É claro, enxergamos isto como um roteiro para os processos, para futuros processos”.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: G1

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *