Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 21/11/2016 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

‘O Moro carioca’: Rio de Janeiro também terá juiz dedicado à Lava Jato

O juiz federal Marcelo Bretas ficará dedicado exclusivamente aos processos da Lava Jato no Rio de Janeiro, assim como acontece com Sérgio Moro, em Curitiba (PR)

O juiz federal Marcelo Bretas ficará dedicado exclusivamente aos processos da Lava Jato no Rio de Janeiro, assim como acontece com Sérgio Moro, em Curitiba (PR)

O Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) decidiu que o juiz responsável pela 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro, Marcelo Bretas, ficará dedicado exclusivamente aos processos da Lava Jato, assim como acontece com Sérgio Moro, em Curitiba. A informação é do colunista Lauro Jardim do ‘O Globo’.

Segundo o jornal, o TRF-2 recuou de uma decisão anterior e renovou a suspensão da distribuição de processos que não fossem relativos às investigações da Operação Lava Jato, assim, Bretas não terá que julgar casos que não sejam ligados à investigação de corrupção na Petrobras.

O magistrado fluminense é responsável pela prisão do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, e de outros acusados de integrarem o esquema de desvio de dinheiro público.

Juiz cita passagem bíblica em decisão judicial

O juiz federal Marcelo da Costa Bretas usou um trecho da Bíblia na decisão que autorizou a Operação Calicute, deflagrada no dia 17 de novembro, que prendeu o ex-governador do Rio  de Janeiro, Sergio Cabral. Um versículo do livro de Eclesiastes é mencionado para enfatizar a necessidade de combater a impunidade, segundo matéria publicada no site ‘UOL’.

A citação bíblica aparece na página 15 da decisão judicial: “Por que será que as pessoas cometem crimes com tanta facilidade? É porque os criminosos não são castigados logo”, diz o trecho do Velho Testamento (Eclesiastes 8:11, Nova Tradução na Linguagem de Hoje, da SBB).

Segundo o UOL, Marcelo Bretas é evangélico e tem um irmão pastor. É uma pessoa discreta e avessa a declarações públicas. Ele também é o responsável por julgar o caso da Eletronuclear, em que ex-dirigentes da estatal e doleiros são acusados de fraudar licitações. Autorizou a operação Saqueador, na qual são investigados o bicheiro Carlinhos Cachoeira, o empreiteiro Fernando Cavendish (da Delta Engenharia) e o doleiro Adir Assad.

Bretas compartilha da mesma fé do procurador da República Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: O Globo e UOL

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *