Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 15/07/2015 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

No STF, mais de 40 políticos respondem inquérito por corrupção

stf2

Na primeira investida após autorização do Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar políticos envolvidos na Operação Lava Jato, a Polícia Federal realizou, na manhã desta terça-feira (14), buscas em endereços residenciais e funcionais de senadores, ex-ministros do governo Dilma Rousseff, deputados e ex-deputados. Também foram vasculhados escritórios de advocacia, empresas e órgãos públicos. Os principais alvos foram os senadores Fernando Collor (PTB-AL), Ciro Nogueira (PP-PI) e Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), o deputado Eduardo da Fonte (PP-PE), o ex-deputado João Pizzolatti (PP-SC) e o ex-ministro e ex-deputado Mário Negromonte (PP-BA). O advogado Thiago Cedraz, filho do presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Aroldo Cedraz, também teve a residência e o local de trabalho visitados pela PF. Todos foram citados em delações premiadas como beneficiários do esquema bilionário de corrupção na Petrobras. Não houve prisões.

No imóvel de Collor, ex-presidente da República, a famosa Casa da Dinda, no Lago Norte, os agentes federais apreenderam, além de documentos, três carros de luxo: uma Ferrari, um Porsche e uma Lamborghini. A Operação Politeia, autorizada pelos ministros do STF Teori Zavascki, Ricardo Lewandowski e Celso de Mello, provocou uma reação no Congresso. Os políticos envolvidos se disseram à disposição da Justiça, no entanto, criticaram o que chamaram de “ação midiática e invasiva”.

A Polícia Federal cumpriu 53 mandados de busca e apreensão: no Distrito Federal (12), na Bahia (11), em Alagoas (sete), em Santa Catarina (cinco), no Rio de Janeiro (cinco) e em São Paulo (cinco). Foram apreendidos oito veículos, duas obras de arte, joias, relógios, computadores, documentos e aproximadamente R$ 4 milhões em espécie. Os agentes ainda recolheram 45 mil dólares e 24,5 mil euros. Em apenas uma empresa, sediada em São Paulo, os policiais encontraram R$ 3,67 milhões.

O objetivo principal é evitar a destruição de provas importantes do caso. Segundo a apuração do Ministério Público e da Polícia Federal, um cartel de empreiteiras combinava licitações na Petrobras, superfaturava obras na estatal e repassava o excedente sob a forma de propinas a políticos e a funcionários da petroleira. Só no STF, mais de 40 políticos respondem a inquérito por corrupção e lavagem de dinheiro. Segundo a PF, após pedido de delegados e procuradores, os ministros do Supremo autorizaram a apreensão de bens supostamente obtidos por meio dos crimes. Além de corrupção e lavagem de dinheiro, há suspeita de evasão de divisas, fraude à licitação e organização criminosa.

BR Distribuidora

Os policiais estiveram nas casas de Collor em Brasília e em Alagoas. Também realizaram buscas na TV Gazeta, que pertence à família do senador. O ex-presidente é investigado por, segundo o doleiro Alberto Youssef, um dos principais operadores do esquema, ter recebido propina para facilitar contratos na BR Distribuidora, uma subsidiária da Petrobras. Em delação premiada, o dono da construtora UTC, Ricardo Pessoa, disse ainda que Collor teria recebido R$ 20 milhões do esquema montado na Petrobras, entre 2010 e 2012.

Segundo a PGR, essa é a “primeira fase” de ações da Lava Jato no STF — na primeira instância, em Curitiba, já houve 15 fases. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse que as ações eram “necessárias”. “As medidas são necessárias ao esclarecimento dos fatos investigados no âmbito do STF, sendo que algumas se destinaram a garantir a apreensão de bens adquiridos com possível prática criminosa, e outras a resguardar provas relevantes que poderiam ser destruídas caso não fossem apreendidas”, explicou. Para a procuradoria, as ações de buscas e apreensão demonstram uma “atuação firme e responsável” para esclarecer os fatos.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Correio Braziliense

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *