Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 09/04/2014 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Navio australiano detecta sinais de avião da Malásia que caiu no mar

navio-australia-Australian-Defence-Force-Reuters

“Estamos muito perto de onde temos de estar”, ressaltou o ex-chefe das Forças Armadas australianas

Um navio australiano detectou novos sinais submarinos compatíveis com as caixas-pretas do Boeing 777 da Malaysia Airlines desaparecido há quase um mês com 329 pessoas a bordo, uma das pistas mais promissoras para revelar o mistério do voo MH370.

“Estamos muito perto de onde temos de estar”, comentou o ex-chefe das Forças Armadas australianas, Angus Houston, coordenador das operações de busca, ao se referir aos sinais acústicos provenientes das profundezas do Oceano Índico. O sensor utilizado pelo navio militar australiano “Ocean Shield” “captou sinais compatíveis com os emitidos pelas caixas-pretas dos aviões”, disse Houston.

“A informação recebida nas últimas 24 horas é muito promissora”, ressaltou, embora tenha pedido cautela. O navio captou dois sinais, um que durou duas horas e 20 minutos, e outro de 13 minutos. Durante o segundo sinal, foram detectadas duas ondas distintas que podem ser provenientes das duas caixas-pretas, chamadas DFDR (Digital flight Data Recorder) e CVR (Cockpit Voice Recorder).

A primeira registra todos os parâmetros do voo (velocidade, altitude, trajetória, etc), enquanto a CVR grava as conversas, assim como todos os sons provenientes da cabine dos pilotos.

Corrida contra o tempo

Uma frota naval e aérea internacional vasculha há semanas uma enorme área do Oceano Índico em busca de eventuais destroços do avião que desapareceu misteriosamente no dia 8 de março, quando voava entre Kuala Lumpur e Pequim.

A busca, que se concentrava em uma zona de 2.000 quilômetros em frente à costa ocidental da Austrália, foi até agora completamente infrutífera. Na semana passada, três embarcações – uma chinesa, uma australiana e uma britânica – equipadas com sensores acústicos submarinos exploraram o fundo do mar.

O navio chinês, o “Haixun 01″, detectou no sábado um sinal emitido durante 90 segundos, que pode corresponder ao das caixas-pretas da aeronave. Este navio havia captado um sinal menos preciso na véspera. O navio britânico “HMS Echo” agora está junto à embarcação chinesa para ajudá-la.

Já o “Ocean Shield” encontra-se 300 milhas náuticas mais ao norte. As caixas-pretas, equipadas com um localizador que é ativado embaixo d’água, são a principal esperança para encontrar os destroços do avião e descobrir as razões de seu desaparecimento e do desvio de seu trajeto inicial.

Mas o tempo corre, já que a esperança de vida das caixas-pretas é de cerca de 30 dias. “As baterias (das caixas-pretas) estão se aproximando do fim de suas vidas, 31 dias se passaram (desde que o avião desapareceu)”, advertiu Houston.

Sem elemento material

Compara-se frequentemente o caso do voo MH370 com o da Air France AF447, que desapareceu sobre o Atlântico em junho de 2009.

Os investigadores sabiam em que região buscar os destroços do avião da companhia francesa, que foram encontrados cinco dias depois. Mas foram necessários 23 meses para encontrar as caixas-pretas e conhecer os detalhes sobre este acidente que tirou a vida de 228 pessoas.

Nove aviões militares, três aeronaves civis e 14 barcos estavam mobilizados nesta segunda-feira para tentar encontrar a fuselagem do Boeing 777 da companhia asiática e suas caixas-pretas.

De qualquer forma, mesmo que seja possível localizar as caixas-pretas, as operações para recuperá-las a mais de 4.000 metros de profundidade serão extremamente difíceis, declarou Angus Houston.

Segundo dados de satélites, a aeronave caiu no Oceano Índico, em frente à costa ocidental da Austrália, o que significa que, por uma razão desconhecida, mudou completamente de rota.

A investigação criminal examina vários cenários, entre eles um desvio, um ato de sabotagem ou um ato desesperado de um passageiro ou de um membro da tripulação, mas até o momento não foi encontrado nenhum elemento que confirme uma ou outra hipótese.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Correio Braziliense

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *