Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 28/09/2016 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Morre aos 93 anos Shimon Peres, ex-líder de Israel e Nobel da Paz

Peres ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 1994, junto com o também ex-primeiro-ministro israelense Yitzhak Rabin e o líder palestino Yasser Arafat

Peres ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 1994, junto com o também ex-primeiro-ministro israelense Yitzhak Rabin e o líder palestino Yasser Arafat

O ex-primeiro-ministro e ex-presidente de Israel Shimon Peres morreu aos 93 anos na madrugada desta quarta-feira (28) (horário local), no hospital Tel Hashomer, nos arredores de Tel Aviv, duas semanas após sofrer um acidente vascular cerebral (AVC). Peres ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 1994, junto com o também ex-primeiro-ministro israelense Yitzhak Rabin e o líder palestino Yasser Arafat por seus esforços em tentar estabelecer a paz entre os povos da Palestina e Israel.

Shimon Peres nasceu na Bielorrússia em 1923 e imigrou com sua família para Israel aos 11 anos. Cresceu junto ao movimento sionista trabalhista, que militava pelo estabelecimento de um estado judeu e pela luta de classes. Morou com sua família por muitos anos em Alumot, norte do país, onde conheceu sua esposa e trabalhou como pastor.

Em 1947 foi recrutado pelo organização paramilitar sionista Haganá e passou a exercer importante papel na luta contra a ocupação britânica. Após o estabelecimento do Estado de Israel em 1948, Peres entrou nos serviços navais e em 1949 liderou uma delegação do Ministério da Defesa israelense para os Estados Unidos, enquanto estudava na New School for Social Research (Nova Escola para a Pesquisa Social), de Nova York.

Quando retornou a Israel, aos 29 anos, se tornou o mais jovem diretor geral do Ministério da Defesa na história de seu país. Em seu cargo, exercia um papel crucial no desenvolvimento da indústria militar e aérea. Mais tarde, o primeiro-ministro israelense designou a Peres a missão de participar da construção do Centro de Pesquisa Nuclear, próximo a cidade de Dimona no deserto de Negev.

Em 1959, Peres foi eleito para fazer parte do parlamento israelense, Knesset, e serviu como vice-ministro da Defesa. Dez anos mais tarde, atuou como ministro da Imigração, e em 1970 foi nomeado ministro dos Transportes e Comunicações. Em 1974 se tronou ministro da Defesa, posição que manteve até 1977. Durante esse período Israel viveu anos bastante críticos, com a reestruturação de seu exército após a guerra do Guerra do Yom Kippur – travada entre Israel e um grupo de nações sob a liderança da Síria e do Egito, em 1973.

Serviu pela primeira vez como primeiro-ministro em 1977, depois da renúncia de Yitzhak Rabin. Posteriormente, foi eleito líder do Partido Trabalhista, que fundou o Estado de Israel em 1948 e o chefiou de forma contínua até 1977, quando pela primeira vez na história não conquistou o maior número de cadeiras nas eleições parlamentares. Peres então serviu como líder da oposição, posição que manteve até 1984, quando iniciou seu primeiro mandato como primeiro-ministro.

Entre 1986 e 1988  foi ministro das Relações Exteriores pela primeira vez e em 1992, durante seu segundo mandato no cargo, iniciou as negociações entre Israel e a  Organização de Libertação da Palestina (OLP), um dos principais marcos de sua carreira política, que resultaram nos Acordos de Oslo (Declaração de Princípios), assinados em setembro de 1993. Recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1994 pelos seus esforços nas negociações. O prêmio foi dividido com o então premier Yitzhak Rabin, que foi assassinado em seguida, e com o líder palestino Yasser Arafat.

Serviu como presidente de Israel entre 2007 a 2014, período durante o qual recebeu, das mãos de Barack Obama, um dos maiores prêmios da paz americanos, a Medalha Presidencial da Liberdade. Peres se aposentou após 55 anos de carreira política, mas nos últimos anos ainda atuava em  sua organização não governamental Peres Center for Peace (Centro pela Paz Peres), que promove a convivência entre árabes e judeus.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Veja

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *