Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 10/11/2015 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Ministro da Justiça acredita que Lula não goste dele: ‘tem todo o direito’

Lula-Cardozo

Em entrevista à ‘Folha de São Paulo’ desta segunda-feira (9), o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou que as críticas de colegas petistas ao seu trabalho são injustas.

Cardozo, que é o mais longevo da pasta desde a redemocratização do país, acredita ter perdido amigos e ganhado inimigos à frente da pasta. Ele até admite que o ex-presidente Lula possa não gostar dele. “Se você quer, na vida política, se comportar dentro dos princípios do Estado de Direito, se prepare para ter inimigos e perder amigos”.

Sobre as severas críticas do PT à atuação da Polícia Federal nas operações Zelotes e Lava Jato, José Eduardo Cardozo disse que “o ministro da Justiça sempre será acusado em investigações que atingem a área política. Os investigados reagem porque se sentem injustiçados ou em busca de um discurso de defesa. Isso acaba se revestindo de um ataque a quem também é do mundo da política. O ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos dizia que esse cargo é dos mais difíceis da República, porque se é culpado pelo que se fez e pelo que não se fez. Há má compreensão do que seja o estado de direito e do papel do agente público no cumprimento da lei. Não esperem jamais que eu peça uma perseguição a um adversário ou um aliviar a um aliado”.

O ministro foi questionado sobre o ex-presidente Lula ter uma possível expectativa equivocada em relação a ele, Cardozo respondeu que “nunca recebi críticas diretamente do [ex] presidente Lula. O que posso dizer é que tenho a consciência tranquila e que respeito a lei. Jamais irei interferir no mérito de uma investigação, só quando houver comprovados indícios de ilegalidade e de um comportamento indevido”.

Sobre possível excesso no caso da intimação do filho de Lula em uma diligência feita às 23h, o ministro disse que pediu esclarecimentos. Na ‘Folha’, Cardozo disse: “Isso será submetido a mim através de um informação oficial. E isso não será feito porque é o filho do [ex] presidente. Tenho feito isso em qualquer caso que em tese poderia ser irregular”.

Ele também afirmou que, apesar de se sentir cansado, nunca discutiu a data de sua saída do cargo com presidente Dilma.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Folha de S. Paulo

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *