Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 26/01/2017 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Marisa Letícia segue na UTI em coma induzido; hospital teve protestos

Marisa Letícia continua em coma induzido, com um familiar por vez ficando no quarto. De manhã, quatro mulheres protestaram pedindo que ela vá para o SUS

A ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva, 66 anos, segue internada no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, um dia após se submeter a um procedimento de emergência em decorrência de um acidente vascular cerebral (AVC). Do lado de fora do hospital, houve protestos contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Hospitalizada desde à tarde desta quarta-feira (25), a ex-primeira-dama segue em coma induzido na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital. Como ela permanece sedada e respirando com a ajuda de aparelhos numa sala onde só é permitida a entrada de um visitante por vez, os familiares têm se revezado no local. O ex-presidente Lula acompanhou a mulher pela manhã, mas foi para casa descansar na parte da tarde.

Dentre os políticos e conhecidos do petista, apenas o ex-senador e atual vereador Eduardo Suplicy (PT) apareceu para prestar solidariedade a Marisa. Ontem, outros políticos próximos a Lula foram ao hospital, como o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, o presidente estadual do PT, Emídio de Souza, o ex-candidato ao governo de SP Alexandre Padilha e o ex-vereador Jamil Murad (PCdoB), que é médico.

Em entrevista, Suplicy disse que Lula está preocupado com a possibilidade de ela ficar um “bom tempo” no hospital. “Ele sabe de pessoas que tiveram esse problema e depois não puderam a ter uma vida normal, mas ele tem toda a esperança”, afirmou.

Protesto

Do lado de fora do hospital, a movimentação foi um pouco mais atribulada pela manhã. Quatro mulheres carregando cartazes com os dizeres “SUS” e “Cadê os médicos cubanos?” e com a imagem de Lula presidiário protestaram na frente do hospital. As mulheres chegaram a ser rechaçadas pelos pedestres que questionavam se elas “não tinham nada melhor para fazer”.  Elas permaneceram no local por cerca de três horas e foram embora pedindo, aos gritos, que Marisa fosse removida para o SUS.

Procedimentos

Maria Letícia passou por um novo procedimento nesta quarta-feira A equipe médica introduziu um cateter ventricular em sua cabeça para verificar a pressão intracraniana após ela realizar exames tomográficos, segundo boletim médico divulgado na manhã desta quarta pelo Sírio-Libanês. O hospital não divulgará novo boletim hoje.

Na terça-feira, ela havia passado por um procedimento de emergência para estancar o sangramento provocado pelo rompimento de um aneurisma(dilatação anormal de um vaso sanguíneo), que já havia sido diagnosticado no seu cérebro há dez anos. O rompimento ocorreu após ela ter tido um pico de pressão -chegou a 23 por 12, quando o normal é em torno de 12 por 8.

Segundo o cardiologista Roberto Kalil Filho, o quadro de saúde de Marisa ainda é grave, inclusive com risco de morte. “O procedimento (de ontem) foi um sucesso. Conseguimos estancar o sangramento. A condição dela é estável do ponto de vista clínico. O risco (de morte) sempre existe num quadro como esse”, afirmou ele.

As próximas 36 horas após a cirurgia devem determinar a dimensão dos danos causados pelo AVC. Os médicos dizem que ainda é cedo para avaliar se haverá ou não sequelas, o que deve acontecer somente quando ela acordar. A equipe está diminuindo as dosagens de sedação aos poucos. Marisa ainda não tem previsão de alta.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Veja

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CLOSE
CLOSE