Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 18/01/2017 em Gospel, Notícias | Nenhum comentário

Mais de 900 mil cristãos foram mortos na última década por crerem em Jesus

Segundo estudo, estima-se que a média de 90.000 mortes de mártires cristãos por ano foi uma constante entre 2005 e 2015

Mais de 900 mil cristãos foram martirizados nos últimos 10 anos, afirmou o Instituto de pesquisa do Seminário Teológico Gordon-Conwell, em Massachusetts (EUA). A informação foi publicada pelo site ‘Gospel Prime’.

O Centro para o Estudo do Cristianismo Global (CECG) divulgou recentemente seu relatório anual sobre a perseguição aos cristãos, onde constata que cerca de 90 mil morreram por causa de sua fé em Jesus Cristo no último ano. Os números são iguais aos que foram revelado pelo proeminente sociólogo italiano Massimo Introvigne, durante uma entrevista à ‘Rádio Vaticano’, em dezembro de 2016.

A média de um cristão morto a cada seis minutos recebeu muita atenção dos veículos de comunicação em meio a uma verdadeira batalha midiática para minimizar a atuação de grupos terroristas, como por exemplo o Estado Islâmico (EI). Os últimos atentados, embora reivindicados pelo EI, sempre eram atribuídos a um “lobo solitário”.

Na divulgação oficial do CECG, destaca-se a estimativa que a média de 90.000 mártires cristãos por ano foi uma constante entre 2005 e 2015. “O Centro para o Estudo do Cristianismo Global fez uma extensa pesquisa sobre o martírio cristão, tanto histórico como contemporâneo, estimando que entre 2005 e 2015 foram mais de 900.000 mártires cristãos em todo o mundo – uma média de 90.000 por ano”, afirmou a organização.

Ainda segundo o CECG, apenas 30% desses foram mortos diretamente por ataques terroristas. Os demais 70% pereceram em conflitos tribais, que envolviam questões étnicas e políticas. Esse é o motivo pelo qual organizações como a Missão Portas Abertas divulgam números bem menos alarmantes e a Organização das Nações Unidas se recusa a reconhecer que há um genocídio em andamento.

Os pesquisadores do Gordon-Conwell explicam que usaram o termo “mártir” para se referir a cristãos que morreram por causa de seu testemunho ou que foram vítimas “como resultado da hostilidade dirigida” a questões religiosas. Acrescentam que essa definição de “hostilidade” refere-se a “uma variedade de formas, incluindo guerras, conflitos, assassinatos aleatórios e genocídios, e inclui atos de indivíduos ou de grupos (como governos)”.

Projeção de crescimento das mortes em 2017

A perseguição aos cristãos continuará crescendo neste ano, principalmente em países islâmicos, seja por parte dos governos ou por grupos extremistas. É o que apontam os novos relatórios do Release International e Portas Abertas, organizações que apoiam os cristãos perseguidos no mundo.

Publicados nas últimas semanas, esses levantamentos, apesar de usarem metodologias diferentes do CECG, mostram uma tendência do crescimento nas mortes motivadas por religião nos últimos anos. Todos concordam que os cristãos são o grupo religioso mais perseguido em todo o mundo.

Os países que mais restringem o cristianismo são: Coréia do Norte, Somália, Afeganistão, Paquistão, Sudão, Síria, Iraque, Irã, Iêmen, Eritreia, Líbia, Nigéria, Maldivas, Arábia Saudita, Índia, Uzbequistão, Vietnã, Quênia, Turcomenistão, Catar e Egito.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Gospel Prime

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *