Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 01/06/2015 em Gospel, Notícias | Nenhum comentário

Líderes turcos falam em ‘marchar’ para reconquistar Jerusalém

Israel

Estudiosos em profecias tendem a apontar a Turquia como o centro da união de nações que se unirá contra Israel na guerra de Gogue e Magogue

Durante a inauguração de um aeroporto na província de Hakkari, o primeiro-ministro Ahmet Davutoglu e o presidente Recep Tayyip Erdogan pediram o restabelecimento do Império Otomano. A Turquia era a sede deste governo até 1924.

O nome do aeroporto é Selahaddin Eyyubi, uma homenagem ao sultão Saladino, da dinastia Aiubi. Esse governante muçulmano de origem curda que conquistou Jerusalém e foi um grande inimigo dos cruzados cristãos, especialmente o rei inglês Ricardo Coração de Leão.

Durante a cerimônia, os dois líderes turcos falaram abertamente de seu desejo de conquistar Jerusalém e restabelecer o Império Otomano, também chamado de Turco-Otomano.

“Pela vontade de Deus, Jerusalém pertence aos curdos, turcos, árabes e a todos os muçulmanos”, declarou Davutoglu.

“Assim como os nossos antepassados​ ​foram juntos com Saladino para libertar Jerusalém, iremos marchar sobre o mesmo caminho para libertar Jerusalém. O governo turco não diferencia de leste a oeste. Temos a intenção de reunir todos os territórios de nossas nações e vamos reunificar estas regiões”.

O discurso de Erdogan foi ainda mais enfático. Ele afirmou ter o mesmo espírito de Saladino, e irá expulsar de Jerusalém a quem ele considera os cruzados modernos, unificando o mundo muçulmano.

“Estou certo de que o grande comandante Saladino está reunindo todos os povos do Oriente Médio em um exército que derrotou os cruzados. Saladino está testemunhando o que estamos fazendo aqui espiritualmente. Eu estava em sua presença espiritual e dirijo-me a ele aqui em Hakkari com os homens poderosos da Turquia.”

“Jerusalém não é para os cruzados…  Alá testemunha isso. Um povo, uma bandeira, uma nação e um Estado! Jerusalém é para os muçulmanos e não para Israel”, enfatizou Erdogan.

“Por que deveríamos continuar a ser amigos com aqueles que pisaram com suas botas no Monte do Templo? Eles insistem que temos de ser amigos? Eu digo, não seremos”, finalizou.

O Império Otomano durou de 1299 a 1917. Ele manteve Israel como um território conquistado a partir de 1516. Com sede na atual Istambul, os otomanos não tinham origem árabes, mas foram responsáveis pela consolidação da fé islâmica em seus domínios. O sultão otomano também era chamado de “Califa do Islã”, pois reunia poder político e religioso.

No seu ápice, os otomanos dominavam o sudoeste da Europa, todo o Oriente Médio, o norte da África e chegando até o sul da Rússia. Após sua derrota na Primeira Guerra Mundial (1914-1918), o governo otomano viu seu território ser partilhado, sendo extinto oficialmente em 1924.

Não é a primeira vez que o governo turco tenta “ressuscitar” o conceito que será sede de um novo Império. Estudantes das profecias geralmente apontam a Turquia como o centro da união de nações que se unirá contra Israel na guerra de Gogue e Magogue. Desde que assumiu o poder, Erdogan tem mantido relações próximas com Rússia e Irã, países que também representam ameaças ao Israel moderno.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Jerusalem Online e Gospel Prime

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *