Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 15/01/2016 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Lava Jato: em conversas interceptadas Lula e Dilma são ‘Luma’

dtq-Dilma-e-Lula

A presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula eram chamados de ‘Luma’ pelos executivos da construtora OAS

Dentre os tantos apelidos descobertos pela Operação Lava Jato, até a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tinham um… em conjunto. Mensagens obtidas do celular do ex-presidente da OAS Léo Pinheiro mostram que executivos da empresa se referiam a Lula e Dilma como “Luma”. “Vai ser duro! Haja Luma [Lula + Dilma]”, disse um deles sobre a vantagem de ACM Neto (DEM) sobre Nelson Pellegrino (PT) na campanha à prefeitura de Salvador em 2012. ACM Neto acabou vencendo o pleito.

Na troca de mensagens, Pinheiro e o ex-diretor da OAS parecem bastante empenhados em salvar a campanha do petista diante do avanço de ACM Neto nas pesquisas. “Dilma/Lula/Militância ofensiva. São as únicas formas de vencer”, escreveu Ribeiro Filho. O apoio da OAS a Pellegrino foi intermediado pelo então governador da Bahia e hoje ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, segundo os investigadores. “Só Lula e o Papa. Ainda bem que cheguei em Roma”, escreve um número que seria ligado a Pinheiro, em outubro de 2012, sobre possível vitória do PT. “Leo: A propaganda [de ACM Neto] está inteligente. Neto não bate ou bate com elegância”, diz o ex-diretor. Em 2014, Ribeiro Filho foi nomeado secretário de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia, na gestão Wagner.

Em 2014, César Mata Pires, fundador da OAS, diz a Pinheiro que “acabou o tempo de eleger poste” e faz referência à derrota de Pellegrino em 2012. “LP [Léo Pinheiro], Acabou o tempo de eleger poste. JW [Jaques Wagner] que se cuide… não aprendeu com a vitória do Grampinho [ACM Neto]. Temos que pensar nessa hipótese X nossos interesses na Bahia. Deus nos proteja. CMP [César Mata Pires].” Wagner já disse estar à disposição para prestar esclarecimentos sobre o caso. A OAS afirmou que “não tem nada a comentar”.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Veja

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *