Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 17/06/2014 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Jovens sírios desafiam grupos terroristas para assistir jogos da Copa do Mundo

Síria-guerra-printer

Jovens tentam acompanhar jogos apesar de bombardeios e ameaça de extremistas

No Norte da Síria, palco de intensos combates entre as forças do regime de Bashar al-Assad e rebeldes, nem mesmo a guerra impede moradores de acompanharem a Copa do Mundo no Brasil. Na província de Raqa, bastião do Estado Islâmico do Iraque e da Síria (Isis), grupo dissidente da al-Qaeda, jovens desafiaram bombardeios e a sexta-feira (13) da ira de extremistas para assistir ao jogo entre a Espanha e a Holanda.

“Membros do Isis entraram nas cafeterias no primeiro dia do Mundial e forçaram os jovens a rezarem. Eles disseram que o futebol distanciava as nossas almas de Deus”, disse à AFP, via internet, Abu Ibrahim, que preferiu não citar seu verdadeiro nome por motivos segurança. “Assisti ao jogo na sexta-feira na casa de um amigo. Estávamos tão preocupados que tivemos o cuidado de não gritar na hora dos gols”.

Fã da seleção brasileira, Abu Ibrahim é um dos poucos que se atreve a falar com a imprensa de sua oposição ao Isis, grupo responsável pela invasão de várias cidades iraquianas na última semana, acusado de sequestros e execuções sumárias.  “Eles querem que tudo seja triste. Mas eu gosto da vida, gosto de futebol”, afirmou.

No Facebook, ele brincou sobre o massacre holandês, que venceu a Espanha por 5 a 1, fazendo uma referência à situação no Iraque. “A Holanda varreu a Espanha, assim como o Isis invadiu o Iraque”, postou.

Perto da capital Damasco, na região rebelde de Moadamiyat al-Sham, um voluntário em um hospital também tenta não perder os jogos. “Éramos seis em casa para ver a Espanha e a Holanda. Mas, como na oposição síria, cada um defendia uma equipe”, disse o voluntário, referindo-se aos opositores do regime sírio, profundamente divididos.

Moadamiyat al-Sham era um reduto rebelde, mas depois de um longo cerco, assinou uma trégua com o regime. Desde o início do Mundial, os campos que outrora foram locais de combates agora estão ocupados por telões para os jogos, dando um pouco de vida a uma região devastada pela guerra.

Na província de Idleb, no Noroeste do país, cuja maioria do território está nas mãos dos rebeldes e é diariamente bombardeado pelos militares, Ibrahim al Idlebi veste sua camisa com as cores da Espanha e bebe mate enquanto vê o jogo. “Fazemos de tudo para esquecer os bombardeios e a morte”, disse à AFP, pela internet.

Nas áreas rebeldes da província de Latakia, também no Noroeste, as pessoas se amontoavam em pequenas telas em abrigos. “As pessoas se sentem mais seguras assistindo aos jogos nos abrigos. Há de tudo: crianças, jovens e rebeldes”, contou Omar el Jeblawi.

Deixe seu comentário no Comerj.

Fonte: O Globo

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *