Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 10/08/2015 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Irmão de Dirceu recebeu ‘mesada’ de operador de propinas na Petrobras

Luiz-Eduardo-Oliveira-e-Silva

O irmão do ex-ministro-chefe da Casa Civil do governo Lula, José Dirceu, admitiu à Polícia Federal que recebeu “pagamentos mensais de R$ 30 mil em espécie” do lobista Milton Pascowitch, apontado como pagador de propinas na Diretoria de Serviços da Petrobrás – cota do PT na estatal. Os repasses, segundo Luiz Eduardo Oliveira e Silva, ocorreram entre 2012 e 2013. O irmão de Dirceu afirmou que “não solicitou quaisquer valores a Milton Pascowitch”.

Ele disse que o lobista “começou a pagá-lo de forma espontânea, a título de ajuda para despesas variadas”.

O “mensalão” para o irmão de Dirceu é um dos motivos que levaram o juiz federal Sérgio Moro a decretar na última sexta-feira (7), a prorrogação da prisão temporária de Luiz Eduardo por mais cinco dias – ele foi preso na segunda-feira (3), mesmo dia em que o ex-ministro foi preso preventivamente.

Luiz Eduardo declarou ter ficado “incomodado com a justificativa” (de Pascowitch), por isso teria indagado do lobista sobre a forma como seriam quitados aqueles valores. Pascowitch teria dito ao irmão de Dirceu que “a pendência seria resolvida posteriormente”.

Pascowitch é o pivô da prisão de Dirceu. Durante muitos anos eles foram aliados. O lobista foi preso e fez delação premiada. Revelou a rotina de pagamentos de propinas de empreiteiras para a empresa de Dirceu. A PF suspeita que a JD Assessoria foi criada para captar recursos ilícitos de empreiteiras supostamente favorecidas por ele em contratos bilionários na Petrobrás. Em troca da delação, Pascowitch ganhou prisão domiciliar.

O irmão do ex-ministro declarou que “não sabia a origem do dinheiro, não tendo questionado Milton (Pascowitch) ou Dirceu sobre tal circunstância”. Alegou que “não sabe” se o irmão solicitou que tais valores fossem pagos por Pascowitch a ele. Em 2013, solicitou ao lobista “que cessasse os pagamentos, pois aquela situação não poderia perdurar, ainda mais pelo fato de que seu irmão havia sido preso” – naquele ano, Dirceu foi para a Papuda, em Brasília, condenado no mensalão por corrupção ativa a 7 anos e onze meses de prisão.

Ele disse que a JD Assessoria deve, hoje, entre R$ 1,5 milhão e R$ 2 milhões.

O juiz Moro assinalou em sua decisão que prorroga por mais cinco dias a prisão de Luiz Eduardo que ele admitiu “que pagamentos efetuados por empreiteiras após a condenação de José Dirceu não teriam sido efetuados a título de consultoria, como anteriormente afirmava a empresa JD em sua defesa, mas a título de ‘auxílio’”.

O advogado Roberto Podval, que defende José Dirceu e Luiz Eduardo Oliveira e Silva – alvos da Operação Pixuleco – disse que não houve mensalão para o irmão do ex-ministro. “Mensalão nenhum. O Milton (Pascowitch) tinha uma conta corrente, era empregado da Engevix (empreiteira), sai, monta seu negócio (Jamp Engenheiros) e fica lá cooptando (clientes). Fecha contrato com a JD Assessoria (de José Dirceu). O que ele (Pascowitch) pagava para o Luiz Eduardo descontava do contrato com a empresa (do ex-ministro).”

Podval disse que “de fato, o Luiz Eduardo colaborou com as investigações, a ideia era essa mesmo, que ele colaborasse e ele realmente colaborou dando todas as explicações que podia dar.”

O criminalista observou que o irmão de Dirceu ‘não sabe explicar’ a origem do dinheiro que Pascowitch repassava.”O Milton tinha contrato da Jamp com a JD. Ele (Luiz Eduardo) estava precisando. Milton fica amigo do Zé Dirceu, vê o Luiz Eduardo sem dinheiro e empresta. Não há nenhum mensalão nisso”.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Estadão

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *