Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 13/10/2015 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Hamas diz que onda de violência em Israel é nova Intifada palestina

dtq-Intifada-palestina

Na última sexta-feira (9), dia tradicional de oração para os muçulmanos, o clima de tensão entre israelenses e palestinos é marcado por novos incidentes de violência. O líder do grupo radical palestino Hamas qualificou os atos na Cisjordânia e na parte leste de Jerusalém como uma nova Intifada palestina.

Um adolescente judeu de 17 anos agrediu a facadas dois palestinos e dois árabes israelenses em Dimona, cidade no sul de Israel. Trata-se do primeiro ato de represália às agressões semelhantes cometidas por palestinos contra israelenses nos últimos dias. O jovem, conhecido da polícia, justificou o ato porque “todos os árabes são terroristas”, de acordo com informações do porta-voz da polícia. Segundo fontes próximas do governo, o primeiro-ministro Benjamin Netaniahu condenou com “veemência” esse ataque contra pessoas inocentes.

Pouco tempo depois, outro adolescente judeu foi levemente ferido em um ataque com arma branca em Jerusalém. O suspeito, palestino, foi detido pela polícia.

Na sequência, na Cisjordânia, um palestino esfaqueou um policial israelense, que ficou levemente ferido perto de uma colônia israelense na leste de Hebron. O palestino foi abatido imediatamente.

Horas depois desse novo episódio, o líder do Hamas na Faixa de Gaza, Ismaïl Haniyeh, qualificou a violência na Cisjordânia e na parte oriental de Jerusalém de nova Intifada, termo em árabe que significa revolta. Duas Intifadas palestinas aconteceram em 1987 e no ano 2000.

“Fazemos um apelo para reforçar e expandir a Intifada, é a única maneira de liberar” os territórios palestinos, disse Haniyeh durante oração em uma mesquita de Gaza. O chefe do Hamas disse que “Gaza vai desempenhar seu papel na Intifada de Jerusalém e está pronta para os confrontos”.

Reforço do esquema de segurança

Com a multiplicação dos ataques, o governo de Israel mobiliza um impressionante esquema de segurança na Esplanada das Mesquitas, em Jerusalém Oriental, terceiro local sagrado do islamismo.

A polícia impede o acesso à Esplanada de fiéis muçulmanos com menos de 50 anos e instalou detectores de metal, como os existentes nos aeroportos, para evitar a entrada de armas na zona hiperprotegida.

Jovens palestinos lançaram nas redes sociais um chamado à terceira Intifada. Ontem, Netanyahu já tinha afirmado que Israel enfrenta uma onda terrorista não organizada, mas que é resultado, segundo ele, da incitação à violência de movimentos islâmicos radicais como o Hamas e também da Autoridade Palestina.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: RFI

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *