Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 10/09/2015 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Governo está se ‘autodestruindo’, afirma Cunha

Alex-Ferreira-Câmara-dos-Deputados

Em conversa com jornalistas nesta quarta-feira (9) o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ),  afirmou que o governo está “se autodestruindo” e faz “o mal aos poucos” ao sinalizar, sem dar nenhuma indicação concreta, que poderá aumentar impostos para conter a crise financeira.

Nas últimas semanas, diferentes setores do governo defenderam propostas diversas, como a volta da CPMF e o aumento do Imposto de Renda ou Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) – que é um tributo cobrado sobre a venda de combustíveis –, mas nenhuma foi encampada oficialmente pelo Palácio do Planalto.

No fim de agosto, o Executivo enviou ao Congresso uma proposta de Orçamento para 2016 com déficit de R$ 30,5 bilhões. A medida teve repercussão negativa no mercado financeiro e, desde então, o governo tem buscado soluções, que tem batido de frente com o Congresso, que tende a reprovar propostas que elevem tributos. Cunha já disse que cabe ao governo indicar onde poderá cortar gastos.

“Acho que é uma estratégia de desgaste do governo. Eles [governo] estão se autodestruindo, porque você está fazendo Maquiavel ao contrário, está fazendo o mal aos poucos e o que é pior: sem concretizá-lo. Você ameaça o mal. Então, é de uma falta de inteligência inominável. Só pode ser uma estratégia contra o governo. Se isso é uma estratégia de lançar balão de ensaio, é contra ele mesmo”, afirmou Cunha.

O presidente da Câmara acrescentou ainda ser contra “qualquer aumento de imposto” e ponderou que a medida deverá gerar mais inflação. “Cobrar mais imposto para financiar isso [a máquina pública], a sociedade não vai aceitar pagar. Seja através do imposto de renda, da CPMF, até no aumento na Cide. É equivocado, vai gerar inflação, vai ter problemas até nos ônibus urbanos com aumento de passagem. A saída passa para o governo dar uma enxugada no Orçamento e cortar despesa.”

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: G1

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *