Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 20/01/2014 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Google desenvolve lentes de contato inteligentes para diabéticos

lentes

O Google anunciou nesta sexta-feira (17) que trabalha no desenvolvimento de lentes de contato capazes de medir os níveis de açúcar presentes nas lágrimas, um dispositivo projetado para as pessoas que sofrem de diabetes.

As lentes de contato inteligentes são equipadas com um chip sem fio e um sensor incluídos entre duas camadas de material.

Segundo o Google, este dispositivo eletrônico em miniatura é capaz de detectar os níveis de glicose obtendo a informação das lágrimas humanas.

Os protótipos estudados já podem gerar uma leitura dos níveis de glicose por segundo e a intenção da companhia californiana é que possam ser utilizadas como um sistema de advertência para o paciente diabético.

O projeto ainda está em ‘seu início’, apesar de a empresa ter informado em seu blog oficial que já realizou diversos estudos de pesquisa clínica e que está trabalhando com a FDA, a organização americana encarregada da aprovação de remédios.

“Ainda falta muito trabalho para ser feito antes que esta tecnologia se transforme em um sistema que as pessoas possam usar”, destacou a empresa.

No entanto, o Google divulgou seus planos para atrair parceiros que possam comercializar as lentes de contato inteligentes e que possam desenvolver aplicativos para que tanto paciente como médico sejam capazes de manejar seus dados.

As lentes de contato inteligentes nasceram no laboratório Google X, cujos engenheiros também são responsáveis pelo carro sem motorista, pelos Google Glasses e pelos balões projetados para levar internet a lugares remotos (Project Loon).

Nascida como uma empresa de internet dedicada às buscas online, o Google diversificou sua pesquisa e seu negócio para áreas diversas que vão desde a mobilidade à energia, passando pela saúde.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Estadão

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *