Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 04/03/2013 em Brasil e Mundo, Notícias | 1 comentários

Garota estuprada nas Maldivas é condenada a 100 chibatadas

mulhere

Justiça de arquipélago tem elementos da sharia e do direito britânico

Uma jovem de 15 anos vítima de estupro foi condenada a receber 100 chibatadas por manter relações sexuais sem ser casada, de acordo com autoridades das Maldivas.

As acusações contra a garota foram feitas no ano passado depois que a polícia investigou denúncias de que o padrasto a teria estuprado e matado o filho dos dois. Ele ainda será julgado.

Promotores, no entanto, dizem que a condenação da garota não tem relação com o caso de estupro.

A Anistia Internacional disse que a sentença é “cruel, degradante e desumana”.

O governo das Maldivas disse que não concorda com a punição e que tentará mudar a lei.

Morte de bebê

A porta-voz do tribunal de menores, Zaima Nasheed, disse que a jovem também deverá permanecer em um reformatório por oito meses. Ela defendeu a condenação, dizendo que a menina cometeu voluntariamente um ato ilegal.

Autoridades locais afirmam que ela será punida quando completar 18 anos, a não ser que peça o adiantamento da punição.

O caso nos tribunais teve início depois que a polícia foi chamada para investigar o corpo de um bebê morto, que foi encontrado enterrado na ilha de Feydhoo no Atol de Shaviyani, norte do país.

O padrasto da garota foi acusado de estuprá-la, engravidá-la e de matar o bebê. A mãe também é acusada de não denunciar o abuso às autoridades.

O sistema judiciário das Maldivas, um arquipélago islâmico com uma população de cerca de 400 mil pessoas, tem elementos da sharia (lei islâmica) e do direito britânico.

O pesquisador da Anistia Internacional Ahmed Faiz disse que o açoite é “cruel, degradante e desumano” e pediu que as autoridades abandonem a prática. “Estamos muito surpresos que o governo não esteja fazendo nada para anular esse tipo de punição – removê-lo totalmente da legislação”.

“Esse não é o único caso. Está acontecendo frequentemente – no mês passado houve outra garota que foi violentada e condenada a chibatadas”, afirmou Ahmed.

Ele disse ainda que não sabe quando a sentença do caso anterior foi executada, já que as pessoas não querem discutir abertamente a situação.

Deixe o seu comentário.

Fonte: BBC Brasil

1 comentário

  1. É uma situação terrivel para qualquer um q leia esse tópico. E eu ainda fico me imaginando na pele desta menina que foi abusada sei lá por quanto tempo e ainda ter que passar por uma punição desta. Triste para um governo deste em manter certas praticas antigas no ceculo em que vivemos.

    Por um outro lado fico pensando e igualando a lei desde pais e do Brasil e a taxa entre os dois, de abusos(nao concordando com lei alguma) a crianças e mulheres na sociedade.

    Desde ja deixo minha ingratidão sobre o fato e peço ajuda a Deus e misericordia aos carrascos deste governo atrasado e pobre nas sua leis desumanas e inconstitucional em relação a sociedade moderna.

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *