Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 21/01/2014 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Garis ajudam casal a recupera R$ 8 mil que foram para o lixo por engano

paulo-sergio-Reprodução-TV-Anhanguera

Paulo Sérgio foi um dos garis que encontrou o valor

Um casal conseguiu recuperar uma sacola com R$ 8 mil reais que havia jogado no lixo por engano, em Goiânia. A quantia chegou a ser levada pelo caminhão de coleta, mas os donos conseguiram localizar o veículo e, com a ajuda dos garis, o dinheiro foi recuperado.

O caso ocorreu na tarde da última quinta-feira (16), no Setor Vila Maria. Segundo o representante comercial Fabrício Vieira, genro do casal, o dinheiro era do rateio de um consórcio feito entre amigos. Ele conta que a sogra acabou se desfazendo das cédulas por descuido, ao deixar o lixo na porta de casa.

“Quando ela percebeu, ela chamou meu sogro e eu. O caminhão da coleta já havia passado, mas demos sorte porque ele estava novamente subindo a rua. Paramos o veículo e, depois de explicar o que havia ocorrido, fomos com eles até o aterro sanitário”, diz Fabrício ao G1.

No aterro, depois que cerca de 6,8 toneladas de lixo foram despejadas, Fabrício, o sogro e mais três garis, todos funcionários da Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) começaram a procurar o dinheiro. Após cerca de 2 horas de buscas, o próprio dono da quantia conseguiu encontrar a sacola.

Por terem ajudado, cada um dos coletores recebeu R$ 100. O dinheiro já foi repassado ao cotista do consórcio que teria direito ao valor neste mês.

‘Lixo precioso’

Imagem: DivulgaçãoPaulo Sérgio Inácio dos Santos, de 31 anos, foi um dos coletores que ajudou a procurar o dinheiro. Ele diz que, em sete anos de profissão, nunca havia encontrado dinheiro nas coletas, mas afirmou que em Goiânia, o lixo é muito ‘precioso’.

“As pessoas jogam várias coisas boas que estão funcionando no lixo. Já achei celular e televisão. O celular que eu uso, inclusive, achei no lixo. Não acho que isso [pegar materiais no lixo] é errado, porque a pessoa não queria mais. Mas penso que deveria doar as coisas boas para instituições que estão precisando ao invés de jogá-las no lixo”, enfatiza.

Paulo diz que em momento nenhum pensou em ficar com o dinheiro, até porque o dono já havia avisado que tinha perdido o pertence. “Ele nos chamou de anjo, mas só cumprimos com nossa obrigação como cidadão. Se o dinheiro foi localizado, nossa obrigação é devolver”, complementa.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: G1

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *