Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 04/02/2014 em Mensagens Pastores | Nenhum comentário

Existe predestinação quanto à salvação?

A Bíblia fala de eleição (1 Crônicas 16.13; Isaías 65; Romanos 11; Colossenses 3.12; Tito 1.1; 1 Pedro 1.2; Apocalipse 17.14) e de predestinação (Romanos 8.29,30; Efésios 1.5,11), mas não num sentido individual. Tais textos se referem ao destino coletivo dos santos do Antigo e do Novo Testamento, aqueles que deliberadamente escolherem obedecer a Deus e à Sua Palavra.

No Novo Testamento, os eleitos de Deus são todos aqueles que creram em Jesus e aceitaram o senhorio dele, tornando-se Seus imitadores e filhos do Pai celestial. A partir dessa experiência pessoal, chamada de salvação, tais indivíduos passaram a desfrutar da comunhão com Deus pelo Espírito Santo, que veio habitar nos cristãos para moldá-los à imagem divina de Jesus, de quem se tornaram irmãos e coerdeiros, tendo direito ao céu e à vida eterna.

É claro que Deus, sendo onisciente, sabe de todas as coisas, inclusive quem será salvo e quem não será. Mas isso não significa que Ele tenha predestinado uns para o céu e outros para o inferno. Afinal, Deus criou o ser humano e concedeu-lhe livre-arbítrio, responsabilizando-o por seus atos e suas escolhas.

Se não fosse assim, a promessa de salvação não seria condicional: aquele que perseverar até ao fim será salvo (Mateus 10.22; 24.13). Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida (Apocalipse 2.10).

Deus deseja que todos se salvem, mas muitos não atendem ao Seu chamado. Se não existisse livre-arbítrio, o pecado da humanidade teria sido um plano do próprio Deus, como se Ele tivesse traçado esse destino de pecado e morte para o homem. Isso é um absurdo teológico!

Logo, a incompreensão dos conceitos de eleição e de predestinação tem servido de base para a defesa de uma “predestinação fatalista”, que não tem base bíblica, a qual se vale de um texto sem o contexto. Isso infringe a hermenêutica bíblica e compromete a sã doutrina cristã.

É impossível para mim conceber a ideia de que todos têm um destino predefinido antes mesmo de nascer e que o Senhor ame mais uns do que outros; e, por isso, tenha previamente determinado a salvação de uns e a condenação de outros.

Se o homem não tivesse autoconsciência e livre-arbítrio, não teria culpa de absolutamente nada. Assim, um estuprador ou qualquer outro malfeitor não poderiam ser acusados nem condenados, pois o crime seria sua única opção. Então, Deus, que os teria criado assim, não poderia puni-los; afinal, sem livre-arbítrio, sem poder mudar a sua sina, ninguém poderia agir de outro modo.

SUGESTÕES DE LEITURA: 

Josué 24.15; Marcos 13.13; Romanos 8.17; 2 Coríntios 3.18; Efésios 3.6; 4.12,13,30; 5.1

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *