Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 21/10/2014 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

EUA confirmam cessar-fogo entre Nigéria e Boko Haram

meninas-boko1

Negociação para soltar jovens sequestradas estão em curso, dizem EUA. Porém, ataques do grupo islâmico colocaram em dúvida veracidade da trégua

A porta-voz do departamento de Estado dos Estados Unidos, Marie Harf, confirmou nesta segunda-feira (20) que a Nigéria fechou um cessar-fogo com o grupo islâmico Boko Haram, como o país africano anunciou na última sexta, e que negociações para libertar as cerca de 200 adolescentes sequestradas em abril na vila de Chibok estão em curso.

“Podemos confirmar as informações sobre o anúncio de um cessar-fogo e, parece, que ele entrou em vigor”, disse Harf.

“Damos as boas-vindas ao cessar-fogo, pedimos às partes que implementem e mantenham tal trégua e esperamos que ela sirva para devolver a paz ao nordeste” da Nigéria.

Segundo Harf, Washington tem conhecimento “da existência de negociações em curso para se obter a libertação das jovens” sequestradas.

O acordo de cessar-fogo foi anunciado na última sexta-feira, mas há informações de ataques do Boko Haram durante o final de semana, o que coloca em dúvida a veracidade da trégua.

Algumas fontes afirmam que apenas uma facção da guerrilha aderiu à trégua.

Sequestro

Na manhã do dia 14 de abril, insurgentes do grupo islâmico ultraradical Boko Haram entraram em uma escola pública na aldeia de Chibok e não acharam nenhuma resistência para ficar por três horas na escola. Saíram depois de incendiar o local, levando as meninas em 20 caminhonetes e 30 motos.

O sequestro de cerca de 270 meninas chocou o mundo e motivou a campanha “Bring Back Our Girls” (Tragam de volta nossas meninas, em tradução livre), pelo resgate das meninas

Algumas das meninas conseguiram fugir ou foram libertadas, porém mais de 200 permanecem em cativeiro e a resposta lenta da Nigéria para a crise juntamente com sua incapacidade de localizar as reféns levaram a muitas críticas no país e no exterior.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: G1

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *