Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 09/02/2017 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Eduardo Cunha apresenta laudos que comprovam aneurisma

Identificação de Cunha no Complexo Médico-Penal do Paraná

Depois de se recusar a passar por uma tomografia marcada pelo Departamento Penitenciário do Estado do Paraná, o ex-deputado Eduardo Cunha anexou, nesta quarta-feira, atestados médicos e resultados de exames ao processo em que é réu na Operação Lava Jato para comprovar que tem um aneurisma cerebral. O peemedebista revelou o problema de saúde ao juiz federal Sergio Moro ontem, ao final do depoimento que prestou durante três horas na Justiça Federal de Curitiba.

“Atesto que o Sr. Eduardo Consentino da Cunha é portador de Aneurisma Intracraniano, localizado na artéria cerebral média esquerda, diagnosticado em julho de 2015, por angioressonância e angiotomografia. Na ocasião recomendei ao paciente tratamento cirúrgico”, diz o atestado assinado nesta quarta-feira pelo médico Paulo Niemeyer Filho, diretor do Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer.

De acordo com um relatório elaborado pelo médico João Gonçalves Pantoja, o problema foi descoberto “incidentalmente” durante um exame e Eduardo Cunha, até então, não apresentava sintomas. “Optou-se pela continuada observação e avaliação periódica, tendo sido sugerido reavaliação a cada 6 meses desde o último exame realizado”, relata Pantoja.

Para comprovar o aneurisma, além dos documentos assinados pelos médicos, os advogados de Cunha juntaram ao processo imagens de ressonâncias magnéticas feitas no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, em junho de 2015, e em uma clínica na Barra da Tijuca, no Rio de janeiro, em agosto daquele ano.

De acordo com Luiz Alberto Cartaxo de Moura, diretor do Departamento Penitenciário do Estado do Paraná (Depen-PR), a recusa em se submeter aos exames caracteriza infração disciplinar leve e isso será anotado na ficha de Cunha na prisão, onde ele está desde outubro do ano passado.

Imagem: Divulgação

Cartaxo revelou, ainda, que não foi a primeira vez que Cunha se negou a comprovar  que tem o problema. “Ressalto ainda que essa enfermidade foi revelada no dia 21 de dezembro ao corpo médico do Complexo Médico Penal, que solicitou à família e aos advogados que fossem encaminhados os exames e os documentos comprobatórios de tal situação, o que até hoje não aconteceu”, disse. “Então, por duas vezes, já se tentou comprovar a presença desse aneurisma e por duas vezes isso não foi possível”, disse.

Depoimento a Moro

Além de revelar o aneurisma, o ex-presidente da Câmara negou a Moro ter recebido propina de um contrato de compra, pela Petrobras, de um campo de petróleo no Benin, na África. Ele é réu por, segundo o Ministério Público Federal, ter recebido 1,5 milhão de dólares em contas na Suíça.

Eduardo Cunha também contradisse o presidente Michel Temer em relação à nomeação de um diretor da Petrobras. Em dezembro, em resposta por escrito às perguntas formuladas por Cunha na ação penal em que ele é réu por supostamente ter recebido propina em um contrato da petrolífera, Temer negou, na condição de testemunha, ter havido uma reunião no Palácio do Planalto em 2007 cujo assunto teria sido a ocupação de cargos na Petrobras.

“Não houve essa reunião. Mas chegaram-me informações de que as nomeações ocorreriam”, respondeu o presidente. De acordo com Cunha, no entanto, o encontro se deu para “acalmar” o PMDB na Câmara depois de o PT descumprir um acordo para nomeações na Petrobras e na BR Distribuidora. “A resposta do presidente Michel Temer está equivocada. Ele participou, sim, da reunião e foi ele quem comunicou a nós o que tinha acontecido”, disse o ex-deputado federal.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Veja

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *