Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 11/10/2016 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Desembargador sugere que ‘pessoa pobre até gosta de ficar na prisão’

“Perdoo advogado que vem aqui defender clientes”, disse o desembargador Paulo Espírito Santo durante outro momento polêmico, em que votava em um dos processo da Lava Jato

“Perdoo advogado que vem aqui defender clientes”, disse o desembargador Paulo Espírito Santo durante outro momento polêmico, em que votava em um dos processo da Lava Jato

Num recente julgamento de habeas corpus de réus da Operação Pripyat, o desembargador Paulo Espírito Santo, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, deu sua opinião sobre a situação do sistema carcerário do país: “As pessoas – no caso dos empresários – deveriam pensar: eu prefiro ganhar menos a passar pelo que está passando aquele grande empresário, um dos maiores construtores do Brasil, há dois anos preso. Porque ele deve estar sofrendo. Mas isso nunca passou pela cabeça delas porque essa questão carcerária não as ameaçava. Elas não acreditavam naquilo. O criminoso da violência urbana, pessoa mais pobre, esse não liga e até gosta de ficar um pouco lá. Dali a pouco é solto, fuma maconha, bebe… É essa a realidade”.

Essa não é a primeira vez que o desembargador causa polêmica. Em julho desse ano, ele disse: “Eu perdoo o advogado que vem aqui defender clientes. Essa é a função do advogado e a gente tem que perdoar”. A frase foi dita durante o julgamento de um dos processos relacionados à operação Lava Jato.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Época e Conjur

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *