Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 12/11/2015 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Deputados governistas fazem manobra para enterrar a CPI do BNDES

CPI-Antonio-Augusto-Câmara-dos-Deputados

Governistas trabalham para barrar convocação do pecuarista José Carlos Bumlai e impedir a prorrogação da CPI

Depois de escalar uma tropa de choque para evitar a convocação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), entre outros requerimentos explosivos, deputados governistas trabalham para encerrar a CPI do BNDES no dia 4 de dezembro, prazo original do colegiado.

Na terça-feira, o presidente do CPI, deputado Marcos Rotta (PMDB-AM), enviou um ofício pedindo ao presidente Eduardo Cunha (PMDB-RJ) a prorrogação do colegiado por mais 60 dias. Mas nesta quarta-feira (11), em sessão a portas fechadas, deputados do PT e do PMDB, que formam maioria na comissão, pressionaram para evitar que o prazo seja estendido e barrar a convocação do pecuarista José Carlos Bumlai e do ex-diretor da Odebrecht Alexandrino Alencar, alguns dos nomes que levaram o escândalo do petrolão até Lula.

Cunha já deu declarações públicas de que iria estender a vigência da CPI do BNDES até o ano que vem. Mas pode mudar de ideia, levado pela irritação com o PSDB, que tem a vice-presidência na comissão e nesta quarta pediu seu afastamento da presidência da Câmara.

Convocação aprovada

Nesta quinta-feira (12), foi aprovada a convocação do empresário e pecuarista José Carlos Bumlai – amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – para prestar esclarecimentos sobre suspeitas de tráfico de influência e favorecimento em contratos firmados pelo banco.

Sob protestos de deputados governistas, a convocação de Bumlai foi aprovada por 13 votos favoráveis e três contrários. Como se trata de uma convocação, o empresário será obrigado a comparecer à CPI. Ainda não há previsão da data em que ele comparecerá na comissão.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Veja

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *