Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 20/04/2016 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Delator revela plano do governo para ministro do STJ sabotar Lava Jato

dtq-delcidio

Em delação premiada, Diogo Ferreira, braço direito do senador Delcídio do Amaral, detalhou a proximidade do ex-petista com o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Marcelo Navarro, antes de sua nomeação ao cargo. Conforme antecipou ‘Época’, o documento foi homologado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki na última quinta-feira, 14. Ferreira disse aos procuradores que agendou encontros entre Navarro e o senador, e que ouviu em diversas ocasiões que a estratégia era nomeá-lo para o STJ com o objetivo de barrar a Lava Jato. Ferreira disse que Delcídio citava nominalmente Marcelo Odebrecht como maior beneficiário da estratégia. O ex-chefe de gabinete apresentou ainda mensagens de WhatsApp trocadas com Navarro para marcar encontros com Delcídio. Segundo ele, atenção semelhante não era dispensada a nenhum outro candidato da lista tríplice de indicados ao STJ. Da lista, Navarro foi o único a ir ao gabinete de Delcídio. Foram três visitas.

Ferreira contou aos procuradores que Delcídio revelou o teor da conversa mantida com a presidente Dilma Rousseff no Palácio da Alvorada, em que a petista pediu para que Delcídio obtivesse de Navarro um “compromisso de alinhamento com o governo para libertar determinados réus importantes da Operação Lava Jato”. Ainda segundo o delator, o mesmo compromisso já havia sido obtido do ministro Joaquim Falcão, que era alinhado com Navarro.

Diz o trecho da delação: “que o Senador contou ao depoente, depois dessa reunião, que ele e o então Ministro da Justiça precisavam atentar para a importância dessa nomeação, porque ela envolvia a substituição do Ministro convocado Trisotto e a relatoria da Operação Lava Jato; que a partir dai o Senador Delcídio do Amaral e o Ministro Jose Eduardo Cardozo passaram ater contato muito mais frequente; que, em determinado fim de semana, não distante no tempo da reunião que anteriormente narrada, o depoente se encontrou com o Senador Delcídio do Amaral no hotel Golden Tulip, onde este residia, e contou ao depoente haver tido, no mesmo fim de semana, encontro particular com a Presidente Dilma Rousseff, a qual lhe pedira, na ocasião, que obtivesse de Marcelo Navarro o compromisso de alinhamento com o governo para libertar determinados réus importantes da Operação Lava Jato; que, segundo o Senador Delcídio do Amaral, a Presidente Dilma Rousseff falou expressamente em Marcelo Odebrecht”.

Ferreira disse que não participava das reuniões dentro do gabinete de Delcídio, mas que, em uma ocasião, durante um encontro de Delcídio com o então ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, Ferreira foi chamado à sala para informar os números dos habeas corpus dos ex-diretores da Petrobras Nestor Cerveró e Renato Duque. Terminada a reunião, Delcídio disse a Ferreira que a intenção era obter parecer favorável de Navarro, já ministro do STJ, em relação aos habeas corpus. Ferreira revelou ainda que, pouco tempo depois, quando Navarro foi ao gabinete do senador, ao se despedir, disse a Delcídio: “Não se preocupe, está tudo entendido”.

Pagamentos a Cerveró

Na delação, Ferreira também complicou ainda mais a situação do ex-presidente Lula e do filho do pecuarista José Carlos Bumlai, Maurício Bumlai, trazendo ambos para o centro das tentativas de impedir a delação do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. Ele relata ter participado de encontros com Maurício, de quem recebeu dinheiro para ser entregue à família de Cerveró. Foram três entregas de R$ 50 mil feitas por meio do advogado de Cerveró, Edson Ribeiro – todas em São Paulo. Segundo a delação de Delcídio, homologada em março, Lula seria principal articulador da estratégia de “comprar o silêncio” de Cerveró.

Ainda de acordo com Ferreira, Delcídio havia citado como plano B para os pagamentos aos honorários de Ribeiro, o banqueiro André Esteves, que havia se prontificado a ajudar. No documento, o delator diz que Esteves estava especialmente preocupado com a delação de Cerveró devido a negócios com bandeiras de postos de combustíveis e operações na África. O BTG adquiriu, em 2013, metade da operação de exploração da Petrobras na África, criando a chamada PetroÁfrica. O negócio foi fechado por US$ 1,5 bilhão, enquanto o mercado precificava a mesma fatia acionária por US$ 4 bilhões. Conforme ‘Época’ revelou, a delação do lobista Hamylton Padilha, que participou das negociações, deverá esclarecer a diferença de valores.

Nas mensagens trocadas entre Diogo e Edson Ribeiro, o advogado de Cerveró cobra uma conversa com André Esteves dizendo que está sendo pressionado pela família do ex-diretor da Petrobras. Segundo o delator, os pagamentos feitos por Bumlai haviam cessado a pedido do próprio Bernardo Cerveró, que avisara não precisar mais do auxílio porque o pai faria delação. Contudo, meses depois, o advogado da família pediu para que os auxílios fossem retomados, desta vez, por Esteves.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Época

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *