Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 27/08/2015 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Atirador disse que matou jornalistas para vingar massacre em igreja

vester-flanagan_Reprodução

Vester Lee Flanagan teria enviado manifesto a uma emissora americana antes de se matar

O atirador que matou dois jornalistas durante uma transmissão ao vivo na Virgínia, nos Estados Unidos, teria justificado o crime como uma vingança do recente massacre de evangélicos negros, frequentadores de uma igreja em Charleston, na Carolina do Sul. Identificado como Vester Lee Flanagan, que usava o nome artístico Bryce Williams, o um homem negro de 41 anos enviou um manifesto de 23 páginas por fax para a emissora ABC News nesta quarta-feira (26) pouco antes de cometer suicídio.

“O ataque a tiros na igreja foi o ponto crítico (…) mas a minha raiva estava aumentando continuamente… Tenho sido uma bomba humana há algum tempo… Só esperando para EXPLODIR!!!!”, diz o texto.

No documento, que qualifica de aviso de “suicídio para amigos e familiares”, Flanagan se queixa de ter sido vítima de discriminação racial e assédio “por ser um homem gay negro”, mas destaca que o ataque à igreja de Charleston foi o que o levou a cometer os assassinatos.

Repórter e operador de câmera foram baleados durante entrevista. Atirador filmou ataque

Repórter e operador de câmera foram baleados durante entrevista. Atirador filmou ataque

O assassino escreveu também que foi atacado por ser negro e gay e que sofreu discriminação racial e assédio moral no trabalho.

Segundo as autoridades do condado de Franklin, Flanagan “morreu no hospital de Fairfax Inova, no norte da Virgínia, em decorrência de um ferimento a bala causado por ele mesmo”.

Perseguido pela polícia, o veículo onde Flanagan estava saiu da estrada e bateu. O atirador chegou a ser detido e encaminhado para o hospital, mas morreu duas horas depois.

A repórter Alison Parker, de 24 anos, e o cinegrafista Adam Ward, de 27 anos, foram mortos a tiros enquanto realizavam uma entrevista ao vivo para a WDBJ em Roanoke, na Virgínia.

“Você envia pessoas para zonas de guerra e para situações perigosas, para confrontos e você se preocupa que elas vão se ferir”, disse Jeffrey Marks, gerente do canal. “Aí você envia alguém para fazer uma matéria sobre turismo, e então isso ocorre – como você pode esperar que algo como isso aconteça?”.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Veja

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *