Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 26/05/2014 em Gospel, Notícias | Nenhum comentário

Ateus tentam vetar frase ‘perante Deus’ em juramento nos EUA

juramento

A mais alta instância no estado de Massachusetts (EUA) confirmou a legalidade da frase “perante de Deus” no juramento à bandeira no início do mês maio. O fato representa um revés para grupos ateus que confrontaram o juramento alegando discriminação,  relatou a reportagem de Kimberly Winston, do site Charisma News.

A Suprema Corte Judicial de Massachusetts disse que a recitação diária do juramento em escolas públicas estaduais, orientada pelo professor, não viola a emenda de igualdade de direitos do Estado e não é discriminatória contra os filhos de ateus, humanistas e outros não-ateístas.

“A participação é inteiramente voluntária”, escreveu o tribunal unânime na decisão do caso envolvendo o Distrito Escolar Regional de Acton-Boxborough, em Massachusetts. A denúncia foi feita por uma família humanista anônima. “A todos os estudantes são apresentadas as mesmas opções; e a escolha de um aluno não participar por causa de crença religiosa é uma questão tanto prática como legal, indistinguível da escolha do outro em se abster por uma razão totalmente diferente, mais mundano, e constitucionalmente insignificante”, resume.

A decisão marca a segunda derrota jurídica para ateus em pouco tempo. Recentemente, a Suprema Corte dos EUA decidiu que as orações sectárias proferidas antes das reuniões do governo não eram uma violação da garantia de separação entre Igreja e Estado constante da Primeira Emenda.

A perda é um revés para uma nova estratégia legal que grupos seculares vêm empregando contra a frase “abaixo de” em várias instâncias. Eles argumentam que essa frase viola tanto a garantia da constituição estadual contra a discriminação, assim como a premissa da Constituição dos EUA de separação entre Igreja e Estado.

Desde a adição da frase “abaixo de Deus”, em 1954, o juramento tem enfrentado repetidos desafios. Em 2004, um caso chegou à Suprema Corte, mas falhou, assim como todos os desafios anteriores.

A Associação Humanista Americana tem um caso semelhante pendente em Nova Jersey. Em um comunicado emitido após a decisão, funcionários locais disseram que iriam continuar a travar casos de discriminação em outras constituições estaduais.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: The Christian Post

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *