Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 02/06/2014 em Mensagens Pastores | Nenhum comentário

As bênçãos que sustentam o casamento – Parte 1

“Pois as armas da nossa guerra não são humanas, mas poderosas em Deus para destruir fortalezas” (2 Coríntios 10.4)

A adolescência e a juventude são fases muito interessantes e curiosas na vida de qualquer pessoa. Aqui neste artigo vou chamar adolescentes e jovens simplesmente de solteiros, pois é uma boa descrição do que eles são e para facilitar a fluidez do texto.

Solteiros em geral são felizes, apesar de sempre quererem uma pessoa com quem possam estar juntos e embora ainda não saibam plenamente o que significa essa “felicidade”. Solteiros só saberão de fato algo mais sobre a própria felicidade quando estiverem mais maduros, e casados. Não que amadurecer e casar-se provoque o fim da felicidade – e aí sim possam saber “que eram felizes e não sabiam”, absolutamente não. É que a felicidade de ser solteiro é única, é incomparável.

Ser solteiro é muito bom sob diversos pontos de vista. Por exemplo, o solteiro pode dedicar-se exclusivamente a projetos pessoais, mergulhando-se neles, gastando horas de seu tempo, sem ter que se preocupar com algumas das responsabilidades que uma casa dirigida por adultos exige. Mesmo que o solteiro trabalhe para ajudar no sustento do seu lar, ele pode, mesmo assim, gastar todo o seu tempo útil (ou mais tempo que um adulto gastaria) com aquilo que o atrai. Um curso, um hobby, um esporte, o aprendizado de um idioma, uma viagem de aventura, o envolvimento em alguma causa social, um retiro espiritual que ele planeje fazer só ou com um grupo de amigos. As possibilidades são quase infinitas.

Se eu tivesse que demonstrar como isso é uma bênção fazendo uma comparação com a vida de um casado, só para ter um parâmetro, eu diria que o casado nem sempre pode gastar o seu tempo útil com o que ele quer. Os casados precisam dar tempo para suas esposas, para seus filhos se eles tiverem um ou mais e talvez tenha que gastar tempo com as atividades da casa também. Isso envolve aquelas arrumações e faxinas chatas e necessárias, ir ao mercado, pagar contas das despesas – e trabalhar muito para conseguir dinheiro para tudo isso. Se tiver filhos, o tempo disponível só para ele ficará bem menor. Quando for a sua hora de usar o tempo disponível, depois de ter feito as obrigações, ele irá querer descansar, na maioria das vezes, em vez de fazer alguma coisa diferente, como a que os solteiros podem fazer.

Bem, não posso ficar enumerando todos os pontos de vista vantajosos de ser um solteiro. Mas penso que estes exemplos são bastante amplos e suficientes para compreender que a “solteirice” tem seus benefícios.

Eu imagino que alguns de meus leitores solteiros, enquanto leem isso, pensaram em algumas das dificuldades que eles enfrentam por serem solteiros. Alguns dirão que seus pais não deixam muito tempo livre para eles (especialmente as moças), ou que também precisam ajudar em casa com as atividades, ou o trabalho toma tempo demais, ou os estudos. Bem, esses são argumentos legítimos e, quem sabe, se deem melhor no dia a dia aqueles solteiros que conseguem gerenciar melhor o seu tempo, administrando o tempo gasto com as responsabilidades e cavando um tempinho livre para suas coisas pessoais.

Ser solteiro também é muito bom porque o solteiro pode se permitir ser desafiado com mais frequência. A possibilidade de ter mais uma chance e tentar novamente caso erre em algumas das decisões que tomou já é uma vantagem competitiva única que ele dispõe. O casado não pode errar com tanta frequência, porque o seu erro custará caro para seu cônjuge e filhos, além dele mesmo. O solteiro em geral não causa tantos danos quando toma decisões erradas, a não ser para ele próprio. Claro, estou sendo genérico, pois há erros que custam caro para seus pais e irmãos.

Mas o ponto a que quero chegar é que o solteiro vive um tempo especial no qual poderá tomar decisões que o afetarão para o resto de suas vidas. Embora ele tenha mais tempo disponível para corrigir os possíveis desvios – caso esses desvios não lhe custem a saúde ou a própria vida – solteiros vivem uma fase rica e abençoada na qual a tomada de decisões pode ser um fator que jogará do seu lado, a seu favor.

Como boa parte dos solteiros está buscando um lugar ao sol – na sociedade, no mercado de trabalho, na igreja, dentro do seu grupo de interesse, da sua tribo – muitos deles ainda não dispõem de bons recursos, de “boas armas” com as quais possam enfrentar os desafios que aparecem. E a cada dia há um desafio novo, não! Então, um recurso eficaz, seguro e em certa medida radical é extrair da Palavra de Deus alguns princípios de sabedoria que poderão poupar você de alguns esforços inúteis, que consumirão seu tempo e energia sem retornar com algum resultado do seu interesse. E eu quero ajudá-lo, por meio do texto seguinte, a encontrar princípios vivos e aplicáveis a sua vida. Afinal, cremos que a sabedoria de Deus está impressa em Sua Palavra, mas como garimpeiros, precisamos encontrar as riquezas que já estão ali. E esse é o meu trabalho.

Recentemente algumas pessoas me perguntaram por que tomei a iniciativa de promover o Encontro Nacional de Solteiros, uma vez que o meu trabalho é reconhecidamente com casais e com a família. Essa decisão foi tomada depois de eu ter conversando com o meu filho Douglas, que trabalha comigo no Ministério e atua como líder de jovens (na maioria solteiros). Conversando, nós pudemos chegar à seguinte conclusão: não basta apenas fazer um trabalho de caráter terapêutico e de recuperação com os pais. Para que os nossos esforços sejam gastos com equilíbrio e sabedoria, tendo maior número de acerto com menos emprego de forças (porque pode atingir o ponto certo com menos energia), nós precisamos fazer um trabalho preventivo. É preciso antecipar-nos aos problemas, chegar aos corações antes de uma crise ter início e se instalar. E isso nós só conseguiremos se envolvermos os solteiros, os jovens e adolescentes – você – como alvos do nosso trabalho. Afinal, a sua presença e participação na família tem um peso e uma importância bem representativa.

Conversando, Douglas e eu entendemos que para evitarmos problemas futuros no seu relacionamento com seus pais, precisamos fazer com que os nossos jovens tenham acesso a determinadas informações antecipadamente, para que também possam usá-las como ferramentas contra as suas próprias lutas. Fazendo isso, estaremos ajudando-os para o tempo presente e futuro, pois ao nos anteciparmos, melhoraremos o seu preparo para toda vida. Muitas vezes o divórcio começa no namoro, você sabia disso? E se hoje os solteiros estão namorando, é preciso ajudá-los a namorarem para avançarem num relacionamento estável.

Assim, esse artigo será para você uma pista valiosa que pretende dar informações para que tome decisões acertadas e com resultados de longo alcance e duração. Em outras palavras, quando dispomos de poucos recursos, precisamos racionalizar, ganhar tempo, gastar menos energia e empenhar menos esforços para alcançar o que temos buscado. Se pudermos acertar mais e errar menos iremos mais longe e em menos tempo. Ora, isso é óbvio, não estou dizendo nada que você não saiba. Apenas estou descrevendo como vejo este artigo como um auxílio a você solteiro.

A “roda da vida” já estava girando quando chegamos ao mundo. Muita coisa já existia e funcionava bem quando nascemos. Outras coisas não iam tão bem assim e precisaram ser modificadas; e foram. Há outros processos que não funcionam tão bem assim, e que serão modificados por você e por solteiros da sua geração. Vocês inventarão e criarão coisas novas, também na área da tecnologia, como processos e mecanismos novos, que tornarão o mundo mais “fácil”, mais humano e habitável.

No entanto, existe uma engrenagem funcionando há milhares de anos e todos querem entrar a ela. E não há como entrar na engrenagem sem fazer acordos. A roda da engrenagem está funcionando, está girando, e ela não para quando alguém quer “subir” ou “descer”. O “maluco beleza” Raul Seixas disse isso em uma de suas canções: “Parem o mundo, que eu quero descer”. Ele queria criar uma sociedade alternativa, com seus próprios princípios, valores, com seu jeito de fazer as coisas e viver a vida. O que aconteceu? Ele morreu relativamente novo de parada cardíaca, alcoólatra, pobre, praticamente abandonado, provavelmente dependente químico. E o mundo? Ah, o mundo continuou a girar e a girar dia após dia. O mundo não parou para ele descer, como não para por causa de ninguém.

O mundo não para jamais e se quisermos viver bem nele, e creio que todos nós queremos, precisamos compreender como ele funciona. Até para mudá-lo é preciso, antes, entender o seu funcionamento. E essa compreensão passa, necessariamente, pelo que diz a Bíblia. O Oriente e o Ocidente (este último ainda mais) são orientados pelo que diz a Bíblia. A Bíblia moldou o pensamento do homem ocidental. Cada valor até aqui, as principais instituições, a cultura, o governo, o regime econômico como os idealistas pensaram e até mesmo as revoluções dos jovens no passado, tudo isso tem os valores e princípios bíblicos na pauta. Não há como escapar disso, é uma verdade que a história demonstra.

E então, preparado? Assim, vamos em frente, pois a vida é curta e nós temos muita coisa a fazer!

(Continua)

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *