Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 16/09/2014 em Mensagens Pastores |

Aprendendo com os erros de Sansão – Parte 5

O desafio de manter o coração ensinável mesmo quando se alcança o sucesso

Sansão, um homem de Deus que perdeu a capacidade de aprender, era centrado em si. Era indisciplinado e arrogante epor isso perdeu a capacidade de deixar-se ensinar. Ele não aprendeu como os pais e pessoas que não se submetem aos conselhos dos pais, sejam eles biológicos ou espirituais, não avançam bem. Quando levamos a sério a autoridade dos pais, entendemos melhor a necessidade e a urgência de submeter-nos a Deus. Quem rejeita a autoridade dos pais, dificilmente aprenderá sobre hierarquia e dificilmente irá se submeter às autoridades. Sansão não sabia ouvir os conselhos de seus pais (Juízes 14.1-3):

“Sansão desceu a Timnate e ali viu uma mulher das filhas dos filisteus. Quando subiu para casa, disse a seu pai e a sua mãe: Vi uma mulher em Timnate, uma das filisteias; trazei-a para que seja minha mulher. Mas seu pai e sua mãe lhe responderam: Acaso não há mulher entre teus parentes, nem entre todo o nosso povo, para que vás tomar mulher entre os filisteus, aqueles incircuncisos? Mas Sansão disse a seu pai: Toma-a para mim, porque ela me agrada muito”. 

Sansão não aprendeu com os erros dos outros. Um líder que não aprende com o erro dos outros, seu fim se anuncia como trágico.

Recentemente eu ministrei numa igreja onde ouvi a história da tragédia ocorrida àquele que havia sido o pastor daquele rebanho. A minha alma tremeu ao ouvir a história e eu orei:“Senhor, eu estou tomando emprestado os erros desse irmão para não cometer a mesma loucura em minha vida”.

Pastores, aprendam com seus próprios erros.

Os meus erros devem ensinar a não cair na mesma armadilha. Uma pessoa incapaz de aprender estará longe do toque de Deus e longe dos seus liderados (Provérbios 3.5-6).

Não vejo um único momento na história de Sansão onde diz que ele buscou orientação de Deus. Davi buscou orientação de Deus. Samuel buscou orientação de Deus. Moisés buscou orientação de Deus. Mas não há um momento em que percebemos Sansão buscando orientação de Deus para a sua vida.

Olhe para a vida de Sansão e veja que ele não demonstra melhoras: ele só piora.

Uma oração que eu faço frequentemente é: “Oh, Deus, dá-me sempre um coração “ensinável”, para aprender sempre”.

Quem não se assenta para ouvir não tem autoridade para falar. Ray Kroc, fundador da rede de lanchonetes McDonald’s, disse: “O dia que você achar que já está tão maduro que não precisa mais ouvir ninguém, o seu próximo estágio é apodrecer”.

Sansão foi um líder que não enfrentou as fraquezas do seu caráter, e isso revela que embora fosse forte fisicamente, era fraco emocionalmente. Evitar encarar as fraquezas de caráter revela a fraqueza da própria pessoa.

John Maxwell diz que a lei da base sólida na liderança é a confiança. Confiança se constrói com competência, coerência e caráter.

Sansão era talentoso? Sim, não podemos negar que ele tinha um talento que fez toda a diferença e esse talento era a sua força sobre humana. Mas basta ter talento para terminar bem a jornada da fé? Não, a história conta a biografia de dezenas e dezenas de homens e mulheres talentosos que acabaram mal as suas carreiras.

É preciso mais que talento para se manter em pé. É preciso caráter. Mas o caráter de Sansão era frágil e não suportou o peso do seu talento. Não basta talento. É preciso caráter.

O caráter está no alicerce de uma vida exemplar e de um grande ministério. Todo aquele que quer crescer e faz planos para edificar uma grande torre devem ocupar-se do fundamento, da base. E a base não pode ser feita de qualquer jeito, se não ela não suportará a torre. O próprio Jesus foi quem disse isso. Leia:

“Pois qual de vós, querendo construir uma torre, não se senta primeiro para calcular as despesas, para ver se tem como acabá-la?” (Lucas 14.28).

Assim, você deve fazer planos para o crescimento e, quanto maior for o seu projeto de vida e de ministério, quando mais você deseje crescer, mais investimento você deverá fazer no alicerce. E a duração do sucesso do seu ministério dependerá da profundidade do seu caráter.

Esse “papo” de caráter não é novo. Quem participou das aulinhas de Escola Dominical ou quem frequentou aquelas reuniões simples para os novos convertidos já ouviu muito sobre isso. E por ouvir muito ou por serem lições que aprendemos desde cedo, no início da vida cristã, muitos hoje as desprezam, não querem mais pensar nessas coisas pensando que já sabem muito. Mas à medida que crescemos, que avançamos e nos tornamos conhecidos, surge uma sutil confusão. Há líderes confundindo caráter com reputação. E caráter não é reputação.

Caráter é o que eu tenho como moldura para a minha personalidade. O caráter dá o norte para os meus atos e mostra como eu devo agir no que depende de mim, é o DNA do meu ser interior. O caráter revela o meu homem interior, o mais íntimo do meu coração.

Já a reputação é medida e percebida exteriormente, é o que as pessoas pensam que eu sou. A reputação mostra a percepção que todos têm de mim, mesmo que eu seja uma coisa e as pessoas pensem outra coisa a meu respeito. A reputação não revela o caráter de ninguém, porque um homem de boa reputação pode fingir ser algo que não é e as pessoas serão levadas a crer na sua representação, gerando um crédito de boa reputação a um falsário. E há líderes confundindo caráter com reputação. Não cometa esse erro.

As pessoas me ouvem falando sobre maridos e pensem: “Esse cara deve ser um maridão”. Outras me observam falando sobre pais e filhos e pensam: “Poxa, esse cara é perfeito como pai”. Pessoas me ouvem falando sobre oração e imaginam: “Ele deve orar oito horas por dia”. Isso é o que pensam que eu sou e que eu faço, e contribui para a formação da minha reputação, mas não diz nada sobre o meu caráter.

Caráter é o que eu sou quando ninguém está me observando.Caráter é o que eu sou na presença de Deus, cujos olhos são como chamas de fogo que penetram o impenetrável e dele não podemos fugir nem nos esconder.Caráter é o que a minha mulher fala ao meu respeito porque ela me conhece intimamente e na privacidade da minha casa. Caráter é o que os meus filhos pensam, sabem e falam ao meu respeito.

É dentro de casa que a minha liderança é aprovada ou reprovada.O testemunho da minha família a meu respeito revela o substrato do meu ser.

Paulo, ao escrever para o jovem líder Timóteo, disse:

“Tem cuidado de ti mesmo e do teu ensino; persevera nessas coisas. Dessa forma, salvarás tanto a ti mesmo como os que te ouvem” (1ª Timóteo 4.16).

Invista no seu caráter. A reputação será a consequência.

Sansão não tinha domínio sobre a sua sensualidade: “Sansão desceu a Timnate e ali viu uma mulher das filhas dos filisteus” (Juízes 14.1, 3 e 4; veja também Abraão: Gênesis 16.1). Esse foi um dos seus pontos fracos: mulheres proibidas.

Qual é o seu ponto fraco, meu irmão?

O ponto fraco de Pedro era o seu temperamento.O ponto fraco de Abraão era a dificuldade de trabalhar só com a verdade.O ponto fraco de Judas era o apego doentio ao dinheiro. Aquele que vendeu Jesus, poderiavender qualquer outra coisa de valor em sua vida.

Qual é o seu ponto fraco?

O ponto fraco de alguns irmãos nas igrejas da Galácia era a glutonaria. Eles comiam demais e Paulo precisou ensiná-los que comer demais é obra da carne, e os que se dão a obras da carne não herdarão o reino de Deus.

Eu observo alguns pastores e fico preocupado. Certa vez eu fui jantar com um grupo de pastores e suas esposasforam conosco. Eu sou observador, todo pregador é observador. Estávamos numa churrascaria e há certa hora todos pararam de comer, mas um pastor continuou co