Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 22/07/2016 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Advogado de Lula acusa Moro de ser um ‘juiz acusador’; entenda

dtq-montagem2

O criminalista Cristiano Zanin, advogado do ex-presidente Lula, conversou com o jornal ‘Folha de S. Paulo’ e fez comentários sobre a imparcialidade do juiz federal Sérgio Moro.

Segundo o advogado, Moro, que é responsável pela Lava Jato, se tornou um “juiz acusador” e não age com imparcialidade para tratar os inquéritos sobre o petista.

Zanin também avalia que o juiz determinou um número excessivo de medidas contra o ex-presidente Lula e já indicou nas apurações um “juízo de valor” desfavorável a Lula.

A reportagem tentou contatar Moro, mas ele disse que não iria comentar o assunto.

Questionado sobre o fato de Lula não ocupar cargo público e se as investigações em relação a ele na Lava Jato devem ser realizadas na primeira instância, Zanin explicou:

“Em princípio, qualquer assunto que diga respeito ao ex-presidente deve ser levado a um juiz de primeiro grau. Porém, isso não significa que deve ser levado ao juiz Sergio Moro. Nós não reconhecemos a competência de Moro, seja porque os assuntos que foram levados a ele sobre o ex-presidente não têm nenhuma relação com Curitiba, seja porque não há nenhum elemento concreto que possa vincular esses assuntos à Petrobras e, por consequência, à Lava Jato. Outro aspecto é que o procurador-geral da República pediu que o ex-presidente fosse incluído em uma investigação que está tramitando no Supremo Tribunal Federal. Entendemos que, se o procurador-geral fez esse pedido, não é possível que se tenha ao mesmo tempo uma investigação sobre o mesmo fato tramitando no Supremo e em primeiro grau”.

Além disso, o advogado de Lula comentou que em “um ofício remetido pelo juiz Moro ao Supremo Tribunal Federal no dia 29 de março, o juiz fez 12 acusações contra o ex-presidente Lula e as pessoas que participaram das conversas telefônicas”.

“Nesse momento, o juiz sai da figura do juiz imparcial e passa a ser um juiz acusador, figura incompatível com as garantias constitucionais do devido processo legal”, avaliou Zanin.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Notícias ao Minuto

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *