Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 18/01/2016 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

Acordos: pena de delatores da Lava Jato cai de 283 para 7 anos

dtq-Sérgio-Moro

Juntas, as penas atribuídas por Sérgio Moro para 13 dos delatores da Operação Lava Jato somam 283 anos e 9 meses de reclusão. No entanto, de acordo com a ‘Folha de S. Paulo’, os acordos firmados com a Justiça podem reduzir esse tempo para, no máximo, 6 anos e 11 meses em regime fechado, somando-se todas as penas.

Isso porque Augusto Mendonça e Julio Camargo, ex-executivo e ex-consultor da Toyo Setal, respectivamente, estão cumprindo em regime aberto os noves anos a que foram condenados. Além disso, eles estão sem a tornozeleira eletrônica.

A reportagem do jornal se baseou em dados divulgados no fim de 2015 por Moro. Ele considera somente os processos em que o juiz já decretou as sentenças. Na opinião de Moro e dos membros da força-tarefa da Lava Jato, os acordos de delação premiada (que foram os responsáveis pela diminuição significativa da pena) são indispensáveis para as investigações: “Nos acordos de colaboração, o princípio é de que se troca um peixe por um cardume, ou um peixe pequeno por um peixe grande”, ressalta o procurador da República Deltan Dallagnol. “As colaborações são feitas para alcançar provas em relação a diversas outras pessoas, incluindo criminosos com atuação mais relevantes no crime, e para recuperar o dinheiro desviado”, continua ele.

Dallagnol afirma que os cerca de 40 acordos feitos permitiram acusações criminais contra 179 pessoas por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: Folha de S. Paulo

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *