Menu Páginas
TwitterFacebook

COMERJ - Conselho dos Ministros do Estado do Rio de Janeiro

Menu Categorias

Publicado por no dia 01/03/2017 em Brasil e Mundo, Notícias | Nenhum comentário

120 generais aposentados se rebelam contra o orçamento de Trump

Republican presidential candidate Donald Trump speaks to supporters as he takes the stage for a campaign event in Dallas, Monday, Sept. 14, 2015. (AP Photo/LM Otero)

O corte ordenado pelo presidente dos Estados Unidos para bancar seu gigantesco orçamento militar foi criticado por 120 generais e almirantes aposentados, entre os quais figuras tão destacadas como o antigo diretor da CIA David Petraeus e o ex-chefe das Forças Armadas George Casey. Em uma carta dirigida aos líderes do Congresso e aos principais secretários governamentais, este grupo de antigos altos comandantes alerta para o risco que implica reduzir, como pretende Trump, o gasto do Departamento de Estado e seus programas de ajuda externa.

“Sabemos pelo nosso serviço armado que muitas das crises que nossa nação enfrenta não têm somente uma solução militar. E isto inclui desde fazer frente à violência extremista de grupos como o Estado Islâmico no Norte da África e no Oriente Médio até prevenir pandemias como o ebola ou estabilizar Estados fracos e frágeis que podem desencadear a instabilidade”, indica o texto.

Segundo matéria do ‘El País’, os generais aposentados, o serviço diplomático e suas agências de cooperação, como a Usaid, são absolutamente necessárias para a manutenção da ordem e da paz. “São críticos para prevenir o conflito e reduzir a necessidade de enviar nossos homens e mulheres para o perigo”, dizem.

O objetivo de Trump, divulgado na segunda-feira (27), é aumentar o gasto militar em 54 bilhões de dólares (168 bilhões de reais) –no total, 9,3%. Trata-se do maior incremento em uma década e devolve os Estados Unidos à era Bush, quando os conflitos do Iraque e Afeganistão estavam em plena efervescência. Para conseguir esse aumento, o presidente ordenou um corte geral que afeta basicamente o Departamento de Estado e a ajuda externa.

Nesse contexto, os militares lembram que reduzir os fundos do Departamento de Estado implica depender perigosamente das armas: “Os militares podem dirigir a luta contra o terrorismo no campo de batalha, mas precisam de parceiros civis fortes no combate contra os indutores do extremismo”. Por tudo isso, pedem que sejam assegurados os recursos para que a diplomacia prossiga com seu trabalho diante das ameaças globais que pairam sobre os Estados Unidos. “Não é tempo para a retirada”, conclui a carta.

Deixe o seu comentário no Comerj.

Fonte: El País

Publicar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CLOSE
CLOSE